Embora não seja tão frustrante como a forma como Superman conseguiu manter sua identidade secreta escondida por tanto tempo, a incrível capacidade do Batman de esconder sua identidade secreta, mesmo sendo um famoso bilionário, é praticamente um superpoder em si.

Isso não quer dizer que os outros não tenham percebido que Bruce Wayne é na verdade o Cavaleiro das Trevas de Gotham: os quadrinhos estão cheios de personagens que decifraram o código, mas como isso não se tornou de conhecimento público?

Você pensaria que a riqueza e o físico de Wayne e os recursos tecnológicos do Batman seriam suficientes para conectar os pontos. Felizmente, uma nova abordagem sobre o assunto pode ser encontrada nas páginas da nova edição de Esquadrão Suicida.


Escrita por Tom Taylor e ilustrada por Bruno Redondo, Esquadrão Suicida #10 da DC Comics mostra Ted Kord – cujo alter ego de super-herói é Besouro Azul – entrando no grupo da Força-Tarefa X após a revelação de Máscara Negra estar roubando sua identidade.

No início, em desacordo com alguns membros da Força-Tarefa X, Kord encontra um aliado improvável entre o grupo. Fin, um atlante com habilidade telepática, sente que Ted Kord não é apenas um homem rico, mas também um herói fantasiado secreto.

Em uma diversão à parte – uma piada que quase quebra a quarta parede -, Arlequina está a ponto de ter sua mente explodida quando seu primeiro pensamento é que Kord é secretamente o Batman.

Kord, no entanto, é rápido em provar que ela está errada, apontando que nenhum bilionário escolheria gastar seu tempo lutando contra o crime em Gotham City, entre todos os lugares, uma afirmação com a qual Arlequina concorda imediatamente.

Só a ideia de alguém tão rico descer e se sujar para proteger uma fossa infestada de crime como Gotham é ridícula demais para ser considerada. Até Arlequina admite que alguém teria que ser louco – mais louco do que ela – para querer fazer isso.

Segredo bem guardado

Além da piada óbvia, muitas coisas podem ser deduzidas dessa afirmação, mas vem-se à mente que é talvez a mais importante e deprimente: a verdadeira razão pela qual Batman não poderia ser o bilionário Bruce Wayne é que Gotham não vale o esforço e dinheiro.

O fato de Gotham ser um terreno fértil para a violência e a vilania é evidenciado pelo grande volume de maníacos enlouquecidos que operam dentro dos limites da cidade. E de alguma forma, entre Coringa, Charada, Hera Venenosa e Duas-Caras há espaço suficiente para o crime organizado convencional e a corrupção policial.

No cinema, Batman será vivido por Robert Pattinson em um filme que será lançado em março de 2022.