Publicidade

Marvel revela como os Vingadores mantém os civis protegidos nas batalhas

Publicado por Victor Carvalho

25/11/2020 04:30

Os civis da Marvel Comics tendem a ser “carne de canhão” para qualquer ameaça que apareça para destruir Nova York, tijolo por tijolo.

Os pedestres respondem por uma boa parte dos danos colaterais, mas os Vingadores desenvolveram uma maneira secreta de manter as pessoas seguras enquanto lidam com alienígenas, robôs, Galactus ou qualquer que seja a ameaça da semana.

Marvels Snapshots: Avengers #1 de Barbara Randall Kesel e Staz Johnson apresenta dois primeiros respondentes enquanto discutem experiências lidando com as ameaças no nível do solo que uma batalha de super-heróis significa para pessoas normais.

Enquanto os Vingadores se defendem de um robô gigantesco, partes de prédios caem em cima de pessoas e os paramédicos e policiais precisam cuidar dos feridos. Felizmente, Tony Stark financiou a criação de “bunkers de batalha” em quase todos os quarteirões da cidade de Nova York, que é para onde os primeiros socorros levam os feridos.

Esses bunkers de segurança fortificados permitem que pedestres escapem dos destroços e de rajadas de laser perdidas destinadas a um Vingador. É revelado que os bunkers foram criados depois que Namor enviou um maremoto, inundando a cidade.

Kerry está andando pela cidade quando um punho robótico gigante abre um buraco no chão. Uma paramédica, ela começa a triagem de pacientes para decidir quem está longe demais para ser salvo e quem precisa de atendimento imediato.

A história em quadrinhos encobre o fato de que esta batalha resultou em várias mortes e que os Vingadores não enfrentam consequências por isso.

Um antigo problema

Mas Kerry se lembra de algumas piadas sobre encontrar super-heróis e bajular sua beleza e heroísmo. Ela compartilha essas histórias com um policial, Jay Sero, que tem seus próprios sentimentos sobre super-heróis e sua relutância em tirar alguns minutos e salvar os pequenos.

O Homem de Ferro mais tarde aparece no bunker e transporta um paciente moribundo para um hospital, mostrando que os heróis assumem pelo menos parte da responsabilidade pelos danos colaterais que causam.

A história em quadrinhos traz à mente Capitão América: Guerra Civil, em que Tony Stark concorda com o governo que os Vingadores precisam ser supervisionados depois que vários civis morrem durante uma batalha dos Vingadores.

O Capitão América diz que eles precisam ser autônomos e as duas ideologias opostas se enfrentam, com os heróis escolhendo lados e depois entrando em conflito.

Os quadrinhos preferem dar mais margem de manobra aos Vingadores – o que implica que eles estão apenas fazendo seu trabalho e que algumas soluções provisórias como bunkers são suficientes para absolvê-los da culpa pelas baixas humanas.

Os heróis do MCU são culpados pelas mortes e destruição causadas durante uma briga. Tony criou uma fundação apenas para jogar dinheiro no problema e financiar a reconstrução depois que os Vingadores destruíram os bairros. Mas o público quer ter seus direitos também.

Eles querem que os super-heróis os mantenham seguros, mas também sejam regulamentados para não destruir uma cidade durante uma luta. Os quadrinhos muitas vezes encobrem a ambiguidade moral dos heróis sobre ter super-humanos semelhantes a deuses usando Nova York como um ringue de luta sem pensar sobre os pequeninos.

É um contraste bastante forte (sem trocadilhos) com o MCU, onde exatamente esse problema causou uma guerra entre os vários Vingadores.

Publicidade