Em entrevista com o Deadline à propósito de sua segunda indicação ao Emmy pela atuação em Orphan Black, da BBC America/Space, a atriz canadense Tatiana Maslany acabou falando da forma como sua série apresenta a fundamental questão da diversidade sexual e humana.

“É algo do qual me orgulho muito. Talvez seja a coisa da qual mais me orgulho na série”, comentou. “Especialmente porque ela é contada através dos olhos de uma mulher, a experiência de uma mulher. Ao mesmo tempo, eu acho tão importante hoje em dia encontrar aquele elemento de humanidade que nos faz todos iguais, e não necessariamente diferentes. Há tanto medo do outro, tanto ódio. Eu me orgulho do fato que Orphan Black não julga ou vilaniza ninguém, que mostramos que todos tem sua humanidade, sua vulnerabilidade, suas necessidades, que todo mundo precisa ser amado e merece ser amado”.

“Especialmente em se tratando de sexualidade, porque eu sou muito vocal a respeito disso. Uma das minhas falas preferidas de todas as temporadas é quando Cosima diz: ‘A coisa menos interessante sobre mim é a minha sexualidade’. Eu acho isso incrível. É claro que ela representa uma comunidade maior de pessoas que não vem sendo representadas na TV, e isso é maravilhoso, mas é preciso aprofundar a personagem para além disso, e mostrar que ela é mais que só ‘a lésbica’ do grupo”, disse ainda.


Quinta temporada de Orphan Black será a última

Na quarta temporada, Sarah (Tatiana Maslany) relutantemente sai do seu esconderijo para rastrear um elusivo e misterioso aliado, ligado com a clone que começou tudo isso – Beth Childs. Sarah segue os passos de Beth em uma relação perigosa com um novo inimigo em potencial, caminhando para uma nova e assustadora direção.

Confira tudo o que aconteceu no episódio final da quarta temporada