Ryan Murphy dispara: “A Warner era muito homofóbica quando fiz séries com eles”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ryan Murphy pode ser um magnata da televisão hoje em dia, mas o roteirista e diretor começou de forma humilde, na sitcom Popular, que foi ao ar na WB Network entre 1999 e 2001 nos EUA.

Em nova entrevista com a Entertainment Weekly, o criador assumidamente gay de séries como Glee e American Horror Story contou que, na época, o estúdio Warner, que era dono do canal, se mostrou muito homofóbico.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Eles nunca entenderam o que eu queria fazer com a série. Era uma série sobre ambição feminina. Eles foram incansavelmente homofóbicos. Eles me permitiam ter um personagem gay, mas frequentemente recebia notas e sugestões como: ‘ela pode ser um pouco menos gay?’”, comentou o criador.

OMG! #2 | Como personagens gays foram representados na TV este ano

“Não foi uma experiência bacana. Eles acharam que tinham um hit em mãos e começaram a me mandar muitas notas, como por exemplo: ‘essa personagem pode ter câncer?’. Eu queria continuar no ar, então acabei fazendo, e isso deturpou o espírito da série. Gosto muito da primeira temporada, mas não da segunda”, disse ainda.

A WB Network encerraria atividades em 2006, dando espaço para a CW, também propriedade da Warner, que curiosamente se mostraria bem mais progressiva quanto à questões da comunidade LGBT do que Murphy dá a entender.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio