Bryan Fuller conversou com os fãs durante uma convenção de Star Trek em Nova York, e contou sobre os múltiplos significados do título de Star Trek: Discovery, nova série da franquia.

“A nave e a série se chamam Discovery por uma série de motivos. É uma referência a 2001: Uma Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick, a uma missão real da NASA, e ao próprio senso de descoberta [em inglês, ‘discovery’]. Essa palavra significa muito para os fãs de Star Trek. Gene Roddenberry nos nos prometeu um futuro em que várias raças se juntam para explorar e colaborar”, comentou.

“Nós seremos a primeira série de Star Trek em que o protagonista não é o capitão da nave, e sim a segunda em comando. Achamos que seria uma mudança interessante para vermos a Frota Estelar por outros olhos”, disse ainda.


Star Trek: Discovery se passará 10 anos antes da missão do Capitão Kirk, funcionando portanto como um prelúdio da série original.

Roteirista dos filmes antigos escreverá episódio da nova série

Nova série terá protagonista feminina e personagem gay

O reboot de Star Trek na TV introduzirá novos personagens, mas que continuarão procurando novos mundos e novas civilizações, enquanto vai explorar temas contemporâneos, seguindo a mesma linha da série original dos anos 60. O novo seriado será o primeiro de Star Trek a entrar em produção desde o final de Enterprise, em 2005.

Veja a primeira imagem da Enterprise da nova série

Star Trek: Discovery irá ao ar primeiro pelo canal americano CBS. Os próximos episódios depois serão exibidos no serviço de streaming da emissora, o CBS All Access, e também pela Netflix.

Veja primeiro teaser da série de TV

Em 1º de setembro, será lançado o terceiro filme da nova trilogia, Star Trek: Sem Fronteiras. O quarto filme deve chegar aos cinemas em 2019.