Ryan Murphy declarou vitória em seu processo contra a atriz Olivia de Havilland, um ícone da Hollywood clássica, que se declarou difamada por seu retrato em Feud, onde foi interpretada por Catherine Zeta-Jones.

“A vitória de Feud é uma vitória para a comunidade criativa, e a Primeira Emenda da nossa Constituição”, declarou Murphy à EW. “Essa vitória dá espaço para os criadores respirarem e contarem histórias importantes inspiradas em eventos verdadeiros. Acima de tudo, é um ótimo dia para a expressão artística, e um lembrete do quão preciosa a liberdade para criar pode ser”.

Ryan Murphy assina contrato para levar novas séries à Netflix


Na minissérie, a personagem de Havilland é vista chamando a irmã, a também atriz Joan Fontaine, de “vadia”. Embora tenha tido uma grande rivalidade com a irmã durante a vida, Havilland, hoje com 101 anos, insiste que nunca disse tal coisa.

“A série da FX coloca palavras na boca da Sra. De Havilland que não correspondem à realidade e à reputação que ela construiu em 80 anos de vida profissional, especificamente se recusando a engajar-se em fofocas sobre outros atores para gerar atenção da mídia”, argumentam os advogados da estrela.

Uma segunda temporada de Feud está garantida, dessa vez abordando a rivalidade entre Príncipe Charles e Princesa Diana durante os momentos finais do casamento.