Sarah Jessica Parker admitiu que Sex and the City “teria que ser bem diferente” se fosse feita hoje em dia, e que não considera isso algo negativo.

“Nossa série não tinha mulheres negras, latinas ou de qualquer outra etnia. Não tinha mulheres LGBT. Nós nem falávamos disso na série”, confessou ao Metro UK.

“Carrie [personagem da atriz e protagonista da série] é um produto de seu tempo. Os diálogos da série sobre política social e sexual são muito marcantes daquela época. Eles teriam que ser mudados”, continuou.


“A cidade [Nova York] mudou, então é claro que seria uma série diferente”, completou.

Atriz de Sex and the City oficializa candidatura a governo de Nova York

A série original da HBO ficou no ar entre 1998 e 2004, exibindo 94 episódios e se tornando um verdadeiro fenômeno cultural.

Sex and the City se voltou então para os cinemas, lançando dois filmes em 2008 e 2010.