Publicidade

Netflix nega acusações de que faz “segmentação racial” em recomendação dos filmes

Publicado por Lucas Nascimento

22/10/2018 20:09

A Netflix foi alvo de críticas racistas nesta segunda-feira (22), quando a escritora e podcaster Stacia L. Brown acusou o serviço de streaming de segmentação racial no algoritmo da plataforma – alterando informações de marketing de acordo com raça.

Em um e-mail enviado ao The Hollywood Reporter, um representante da Netflix rebateu as acusações, explicando que as imagens de thumbnails dos filmes podem alterar regularmente.

“As notícias de que olhamos para demográficos quando personalizamos nossa arte não são verdadeiras. Não perguntamos aos membros sua raça, gêneo ou etnicidade, então não podemos usar essa informação para personalizar suas experiências individuais na Netflix. A única informação que usamos de um membro é seu histórico de visualização”, declarou.

“Em termos de thumbnails, elas diferem e regularmente mudam. Isso é para garantir que as imagens que mostramos às pessoas sejam úteis para ajudá-las a escolher o que assistir”, diz a declaração.

Usuária acusa Netflix de fazer “segmentação racial” em recomendação dos filmes

No Twitter, a Brown declarou que filmes estavam ganhando cartazes “alternativos” em sua conta, geralmente com atores negros, mesmo que eles não sejam os protagonistas. Para Brown, a Netflix está segmentando os pôsteres conforme a cor de pele do usuário.

Os dois filmes que foram usados como exemplo pela escritora foram Simplesmente Amor e Tal Pai, Tal Filha. Os cartazes podem ser conferidos abaixo.

Você | Série com Penn Badgley, de Gossip Girl, ganha data de estreia na Netflix

“É estranho tentar passar um filme como tendo o elenco principal negro (criando um cartaz com apenas os atores negros) quando é um filme de brancos. Um filme muito de brancos. Eu já assisti esse mês passado, então sabia que era uma jogada de marketing”, declarou a escritora.

Outros internautas declaram que a atitude é racista. Já a Netflix internacional, em comunicado, afirmou que não sabe qual é a cor de pele ou etnia de seus clientes, por isso não teria como usar a informação.

Publicidade