Uma pesquisa da GLAAD, importante organização mundial LGBTQ+, aponta que os personagens da comunidade gay nunca estiveram tão bem representados como em 2018. O estudo apontou um aumento considerável em comparação com os últimos anos.

De todas as séries que estão em exibição na TV norte-americana, 8,8% dos personagens são LGBTQ+. O aumento é de 2,4% em relação a temporada de séries de 2017/2018. Vale ainda lembrar que o ano anterior já tinha conseguido o recorde dos últimos 23 anos.

Além disso, foi descoberto que quase 50% desses personagens também pertencem a outros grupos que buscam maior representatividade, como latinos, negros e asiáticos. A pesquisa destacou que pela primeira vez há uma paridade entre personagens LGBTQ+ homens e mulheres, de 50% para cada representação.


Cate Blanchett defende atores héteros que interpretam personagens LGBTQ+

Esses dados são apenas para personagens regulares das séries. Se atores ou atrizes convidados entrarem na conta, o aumento na TV norte-americana é de 31% em comparação a 2017, pulando de 173 para 208 personagens. Nos serviços de streaming, esse número sobe 72%, tendo um aumento de 65 para 112.

Entre os personagens bissexuais também há um aumento, de 26% (93 para 117), de personagens transgêneros o acréscimo é de 53% (17 para 26), e representações com personagem que possuem HIV o aumento é de 350% – de 2 para 7 personagens.

A pesquisa foi realizada entre as séries que estão no ar entre o período de 1° de junho de 2018 e de 31 de maio de 2019.