O reboot dos Cavaleiros do Zodíaco realizado pela Netflix, Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco, está dando polêmica após o seu primeiro trailer. A prévia pode ser relembrada abaixo.

O motivo de tudo é que Shun agora é uma mulher, que se chama Shaun. Para os fãs, a escolha de mudança de gênero por parte dos roteiristas é preguiçosa, já que o personagem, na sua versão original, era considerado mais delicado e lutava com uma armadura rosa.

Utilizando o Twitter, o roteirista e produtor Eugene Son defendeu a mudança. Em uma série de publicações, o responsável pelo reboot explicou as motivações para isso.


“Quando nós começamos a desenvolver essa nova série atualizada, nós queríamos mudar muito pouco. Os conceitos principais de Saint Seiya que fazem a série ser amada são muito fortes. A maioria deles continua fazendo sentido mesmo trinta anos depois. A única coisa que me preocupava: os Cavaleiros de Bronze com Seiya de Pégaso são todos caras”, começou a explicar o roteirista.

Son garante que a mudança do gênero de Shun foi ideia toda sua. O roteirista ainda disse que era normal há 30 anos ter um grupo de homens lutando para salvar o mundo, mas esse não é mais o padrão atual.

Saint Seiya | Netflix divulga primeiro teaser da nova série dos Cavaleiros do Zodíaco

“Existem várias personagens femininas no anime e no mangá. Marin e Shaina são ambas incríveis. Mas elas já são poderosas – ninguém quer que elas sejam transformadas em Cavaleiros de Bronze. Nós pegamos uma personagem que já existe como a Sienna ou Shunrei ou Miho e damos poderes a elas e as transformamos na nossa April O’Neil? Ou nós criamos uma nova personagem feminina e fazemos com que ela entre para a equipe? Talvez… ?”, continuou a explicação.

Para o roteirista, essa introdução não seria “natural”. Então, surgiu a ideia de modificar Shun, também conhecido no Brasil como Andrômeda.

“Então nós conversamos sobre Andrômeda. Todo mundo concorda – um personagem incrível. E se o original fosse ‘Andrômeda Shun’ e a nossa interpretação fosse ‘Andrômeda Shaun’? Quanto mais nós desenvolvemos isso, mais nós vimos potencial. Um ótimo personagem com um ótimo visual. Os conceitos principais de Andrômeda não mudariam. Ela usa as correntes para proteger a si mesma e seus amigos – algo que ela aprendeu de seu irmão protetor que a ensinou a lutar. E os fãs hardcore de Seiya sabem o que acontece com Andrômeda conforme a série evolui. Como seria isso com uma mulher Andrômeda? Eu achei que isso seria interessante de ver”, afirmou Son.

O roteirista ainda declarou que entende os fãs que acham a decisão polêmica. Mas, pediu para que todos assistam à série na Netflix antes de tirar maiores conclusões.

O novo desenho é um reboot para o clássico anime, atualizando a animação e o período em que Cavaleiros do Zodíaco se passa. Cavaleiros do Zodíaco: Saint Seiya tem previsão de estreia entre junho e setembro de 2019 na Netflix.