Blogueiros do site Mashable começaram a explorar a internet para descobrir como a pirataria está lidando com Black Mirror: Bandersnatch. Parece que esse setor da web está tendo muitos problemas.

Os internautas encontraram as mais diferentes versões e descrições dos arquivos que prometiam a série da Netflix. Só que nenhuma completa.

“250 opções disponíveis, faltando 68 opções, como a Netflix definiu como história linear”, é um exemplo de descrição, com 96 minutos da série. Além disso, há arquivos com as cinco horas de filmagens, mas as cenas em uma ordem sem sentido.


Internautas também estão criando fóruns no Reedit para descobrir uma maneira de conseguir gratuitamente a série. No entanto, como é sabido, o jeito correto e sem problemas é ver a partir da plataforma de streaming.

O episódio interativo possui cinco horas de filmagens, mas pode ter infinitas possibilidades de roteiros. Dessa maneira, apenas a Netflix pode dar o suporte necessário para a experiência.

Black Mirror: Bandersnatch | Vídeo de bastidores aborda a tecnologia utilizada para a produção do episódio

Bandersnatch é sobre a história de um jovem programador que cria um jogo a partir de um romance. No entanto, o protagonista começa a perder o controle sobre o que é a realidade e o que é o mundo virtual.

O especial de Black Mirror vai contar um recurso inédito: o espectador poderá escolher o final do filme, contando com 5 horas de material gravado.

O protagonista desse especial de Black Mirror é Fionn Whitehead, que fez sua estreia nas telas com Dunkirk.

Black Mirror: Bandersnatch está disponível na Netflix.