Making a Murderer | Policial afirma que série da Netflix “destruiu” a sua vida

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Andrew Colborn, um ex-sargento da polícia de Manitowoc County, em Wisconsin, e figura central da série Making a Murderer, da Netflix, falou pela primeira vez após ter processado a produção do seriado. O homem recorre sobre a maneira que é retratado na série documental.

O ex-policial conversou com o The Hollywood Reporter e contou como o fenômeno de “um crime verdadeiro” afetou a sua vida.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Destruiu a minha vida e da minha família. Eu vivo num estado de vigilância próximo a um combate ou em constante serviço parecendo um homem da lei”, declarou Colborn.

O ex-sargento garantiu ao THR que coletou 28 CDs com provas, que mostram ameaças telefônicas de muitos apoiadores de Steven Avery atacando ele ou a sua família.

O processo de Colborn diz que Laura Ricciardi e Moira Demos, as criadoras da série, acusaram injustamente Colborn de enquadrar Steven Avery e Brendan Dassey pelo assassinato de Teresa Halbach.

Making a Murderer | Produtores da série são processados ​​por difamação por ex-sargento da polícia de Wisconsin

A ação também acusa os produtores de Making a Murderer de terem “omitido, distorcido e falsificado fatos materiais e significativos em um esforço para retratar o autor como um policial corrupto que plantou evidências para enquadrar um homem inocente”.

Isto foi feito, continua o processo, “com malícia real e a fim de tornar o documentário mais lucrativo e bem-sucedido, sacrificando e difamando o caráter e a reputação do autor no processo”.

Making a Murderer examina as prisões de Steven Avery e Brendan Dassey pelo assassinato de Teresa Halbach, lançando dúvidas sobre a culpa de Avery.

A série documental acompanha a teoria de que a polícia pode ter guardado rancor e estava tentando acertar contas com Avery após ele ser libertado da prisão após uma acusação de agressão sexual ser refutada por testes de DNA.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio