Criador de 13 Reasons Why refuta estudo ligando série ao aumento de suicídios

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Brian Yorkey, criador de 13 Reasons Why, e Rebecca Hedrick, psiquiatra consultora na série, defenderam o seriado da Netflix de um recente estudo apontando a ligação entre a série e o aumento na taxa de suicídio nos EUA.

Em coluna no THR, os dois apontaram que “o impacto positivo da série foi observado em inúmeras pesquisas. Em um estudo, a maioria dos correspondentes que admitiu ter praticado bullying antes de assistir a primeira temporada disse que eles mudaram seu comportamento após a série”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Outro estudo apontou que assistir 13 Reasons Why deu a estudantes uma melhor compreensão do suicidio, mas que não gerou pensamentos ou comportamentos suicidas”, escreveram na coluna.

Os dois ainda apontaram que em 2018 a série ganhou um prêmio por encorajar conversas “entre pais, estudantes e defensores da saúde mental acerca da epidemia de suicidio, depressão e bullying em adolescentes”.

Além disso, apontaram que não houve aumento de suicídios depois da estreia da série e sim que a série gerou mais ligações para canais de ajuda, em outras palavras, a série teria incentivado as pessoas a procurarem ajuda.

Infelizmente, por experiência própria, posso dizer que há casos em que a série prejudicou os espectadores de forma bastante dramática.

Não há desculpa para a forma como a série retratou certos acontecimentos, como o suicídio de Hanna Baker, que não passa de um tutorial de suicídio, algo extremamente irresponsável.

As duas péssimas temporadas de Stranger Things estão disponíveis na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio