A primeira temporada da série O Mecanismo, da Netflix, foi muito criticada pelo público por apresentar uma visão unilateral de eventos recentes da política brasileira.

Segundo Selton Mello, protagonista da produção, as críticas não devem ser levadas à sério.

“Os atores foram muito atacados. E é bom deixar claro que esse é o nosso trabalho: a liberdade de expressão não seletiva. Muita gente que levanta o punho e defende a liberdade de expressão bateu na gente. Eu estudei muito cinema político italiano para fazer esta série. Lembro de Gian Maria Volonté, que interpretou personagens dos matizes ideológicos mais variados. Por que não podemos fazer o mesmo aqui? Achei triste e patético o modo como nos agrediram”, afirmou o ator, durante uma coletiva de imprensa.


José Padilha, o diretor da série, também afirmou que O Mecanismo “não tem ideologia”.

“Sempre deixei claro que o mecanismo são todos eles: PT, PMDB, PSDB. O mecanismo não tem ideologia. Entre as condições necessárias para alguém concorrer à Presidência da República no Brasil, está a participação no Mecanismo”, comentou o diretor.

Resta saber se a próxima temporada da série vai abordar os resultados da entrada do fascismo na política brasileira.

A história é inspirada em denúncias de corrupção feitas contra as empresas de petróleo e construção no Brasil. Selton Mello interpreta Marco Ruffo, um delegado aposentado da Polícia Federal, que lidera investigadores na descoberta de um enorme esquema de corrupção.

Carol Abras, Enrique Dia, Lee Taylor, Antonio Saboia e Otto Jr. completam o elenco.

O Mecanismo estreia a 2ª temporada na Netflix no dia 10 de maio.