ALERTA DE SPOILERS

No último domingo, a tão esperada 4ª temporada de Rick and Morty estreou seu primeiro episódio, e contou com muitas das marcas registradas que esperamos da série de comédia de ficção científica.

Novos alienígenas, novos aparelhos, novas bugigangas que Rick precisa para seus experimentos e, naturalmente, novos universos alternativos.


O multiverso de Rick and Morty tem sido vasto desde que estreou, e o novo episódio o levou a lugares inesperados e hilariantes, ao mesmo tempo em que cobria algum terreno que deveria ser naturalmente esperado ao contabilizar um número infinito de universos.

No episódio, a história decorre após Rick morrer acidentalmente enquanto estava em uma aventura com Morty. Como Rick destruiu anteriormente todos os seus corpos de clones na garagem, sua consciência é carregada em um corpo de um universo alternativo através do protocolo “Operation Phoenix”.

No primeiro desses novos universos, Rick se vê como uma distopia fascista auto-descrita, estilizada com insígnias de chaves cruzadas em uma paródia de The Wall, de Pink Floyd.

Depois de morrer naquele universo e ir para outro, Rick renasce em um universo de camarões, rapidamente revelado também como uma distopia fascista.

Após sua morte, Rick renasce em um universo de ursinhos de pelúcia, que também é uma distopia fascista. Finalmente, Rick chega ao último universo alternativo do episódio, uma dimensão alternativa que é francamente como o universo regular, exceto por todos serem vespas.

Esses quatro novos universos se juntam a uma lista empilhada de mundos alternativos que já foram apresentados ao longo da série.

A 4ª temporada de Rick and Morty está em exibição no canal norte-americano Adult Swim. Vale lembrar que, aqui no Brasil, as três primeiras temporadas da série estão disponíveis na Netflix.