Jordânia segue Brasil e pede banimento de série da Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em dezembro do ano passado, foi lançado na Netflix o Especial de Natal Porta dos Fundos: A Primeira Tentação de Cristo.

A comédia mostra Jesus comemorando seu trigésimo aniversário com uma Maria que fuma maconha e um amigo chamado Orlando no braço, que está implícito em ser seu amante.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como era de se esperar, isso causou uma enorme polêmica pelo país, envolvendo revoltas nas redes sociais e até um ataque a sede da Porta dos Fundos no Rio de Janeiro.

Agora, a mando da Justiça do Rio de Janeiro após um julgamento, o programa foi retirado do ar (saiba mais aqui).

Situação parecida

Na Jordânia, uma situação semelhante a do Brasil está acontecendo. A série Messiah está correndo o risco de ser banida após a Royal Film Commission solicitar que a Netflix não a liberasse no país.

O pedido, que foi feito antes do lançamento, dizia que a RFC havia solicitado que a Netflix se abstivesse de mostrar a série por lá.

Um representante da plataforma respondeu e afirmou que a empresa ainda não havia recebido nenhuma solicitação legal formal para remover o programa.

“Messiah é uma obra de ficção. Não se baseia em nenhum personagem, figura ou religião. Todos os programas da Netflix apresentam classificações e informações para ajudar os membros a tomar suas próprias decisões sobre o que é certo para eles e suas famílias”, afirmou o representante.

Messiah é sobre um homem que recebe muitos seguidores por meio de atos públicos e logo capta a atenção de algumas pessoas do alto escalaão. A série pode ser controversa para qualquer pessoa religiosa, pois esse profeta fictício desafia as crenças modernas de muitas religiões importantes.

Além disso, algumas pessoas questionaram o personagem principal ser chamado de “Al-Masih”, versão árabe para “O Messias”. Outros manifestaram preocupação com as filmagens acontecerem em locais considerados sagrados, como o Monte do Templo de Jerusalém.

Nenhuma decisão foi tomada até o momento.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio