ALERTA DE SPOILERS!

A Parte 4 de La Casa de Papel adicionou uma maior representatividade na história. O fato veio com a personagem Julia, ou Manila.

Na história, os fãs descobrem que Julia é uma mulher trans. A revelação foi feita quando Moscou e Denver, em um flashback, pedem para o Professor para que Juanito, amigo próximo da família deles, se junte ao bando.

Quando Juanito é apresentado, ele já aparece e se apresenta como Julia. Porém, uma escolha sobre a personagem tem causado polêmica.


Os fãs não gostaram que a atriz Belén Cuesta foi selecionada para o papel. Para os espectadores, o correto seria selecionar uma atriz trans para o papel.

“Estou amando a nova temporada de La Casa de Papel, mas com o pouco reconhecimento que atores e atrizes trans têm, alguém teria morrido ao selecionar uma atriz trans para ser Manila?”, questionou um fã nas redes sociais.

“Agora, a pergunta: O que custa selecionar uma atriz trans para um papel de mulher trans?”, se indignou outro.

Atriz defende La Casa de Papel

Apesar da seleção polêmica, alguns fãs apoiaram a série. Há internautas que acreditam em uma intenção positiva por parte de La Casa de Papel.

“A nova integrante da equipe, Manila, é trans! Igualdade da melhor forma”, comemorou um fã.

Ao El Español, Belén Cuesta foi questionada sobre a polêmica. A atriz defendeu La Casa de Papel, colocando panos quentes na discussão gerada entre os fãs.

“Eu entendo a luta dos atores e atrizes trans. Também, apoio eles muito. Uma atriz cisgênero pode viver uma mulher trans e uma atriz trans pode viver uma mulher cisgênero”, respondeu a famosa.

Parte 4 de La Casa de Papel

“O plano do Professor sai do papel e põe vidas em risco. Agora, os ladrões terão de encarar inimigos dentro e fora do Banco da Espanha”, diz a sinopse dos episódios da Parte 4.

O elenco traz nomes como Úrsula Corberó, Álvaro Morte e Pedro Alonso. A criação é de Álex Pina.

As quatro temporadas de La Casa de Papel estão disponíveis na Netflix.