Com 16 temporadas e mais de 350 episódios lançados, Grey’s Anatomy conquistou milhões de fãs no mundo inteiro e se tornou o drama médico mais duradouro de todos os tempos. 

A série exibiu recentemente o final de sua décima sexta temporada, encurtada devido à pandemia do coronavírus.

É claro que em todos esses anos que Grey’s Anatomy dominou as telinhas, a produção contou com histórias polêmicas e controversas em seus bastidores.


Um dos maiores escândalos de Grey’s Anatomy foi a demissão de Isaiah Washington, o intérprete do médico Preston Burke.

Confira abaixo o que de fato aconteceu!

A demissão 

Em Grey’s Anatomy, Isaiah Washington atuou da primeira à terceira temporada como Preston Burke. O personagem foi um dos originais da série, e se envolveu em um relacionamento com Cristina Yang.

Isaiah Washington se tornou o primeiro ator do elenco principal de Grey’s Anatomy a deixar a série. O intérprete de Preston Burke foi demitido da produção após praticar homofobia explícita contra colegas de elenco.

De acordo com notícias da época, a agressão foi feita contra TR Knight, que ainda não havia assumido a homossexualidade. No entanto, informações posteriores indicaram que o ato de intolerância foi voltado a outro colega de elenco.

Washington chegou a pedir desculpas, mas já era tarde demais e o contrato do ator foi finalizado em 2007.

“Eu sinceramente me arrependo das minhas ações e do uso infeliz de certas palavras no set de filmagem. Ambos os atos não correspondem aos meus valores. Respeito meus colegas e já me desculpei pessoalmente com todos eles.

Embora Washington tenha sido o responsável por sua própria demissão, o ator culpa a série pela derrocada de sua carreira artística.

“Eu não me importo com as histórias que vão contar para acabar com a minha carreira, porque você não pode matar algo que já não existe. Eles me destruíram como ator em junho de 2007”, afirmou o ator.

A carreira do Isaiah Washington demorou a se reerguer, e recentemente o ator participou de 5 temporadas da série The 100, deixando a produção em 2018.