Quando Lucifer Morningstar, de Tom Ellis, fez uma breve aparição em Crise nas Infinitas Terras, ao lado de John Constantine, os fãs ficaram empolgados ao saber que Lucifer era oficialmente parte do Arrowverso. No entanto, por mais divertida que tenha sido a cena, abriu uma série de problemas de continuidade em relação às versões conflitantes do Inferno, representadas em Legends of Tomorrow e Lucifer.

Crise nas Infinitas Terras foi uma produção revolucionária da televisão, rompendo fronteiras para expandir o multiverso coletivamente conhecido como Arrowverso. O evento estabeleceu que todas as séries de televisão e filmes baseados nas propriedades da DC Comics existiam como sua própria realidade no Arrowverso maior.

No meio de todo esse caos, Lucifer (que foi baseada numa história em quadrinhos derivada de Sandman, de Neil Gaiman) foi estabelecida como sendo ambientada em um mundo conhecido como Terra-666.


O Observatório do Cinema descobriu que, por mais empolgante que tenha sido, a cena com Lucifer em Crise nas Infinitas Terras criou um grande furo de roteiro para o Arrowverso.

Erro na trama

A aparição de Lucifer Morningstar em Crise nas Infinitas Terras – Parte 3 era para ser um segredo, mas foi estragada por fotógrafos que viram Tom Ellis em Vancouver enquanto o crossover estava sendo filmado. A breve cena centrou-se em torno do bruxo John Constantine viajando para a Terra-666 para pedir um favor que Lucifer lhe devia, com John Diggle e Mia Smoak de Arrow o acompanhando.

Constantine havia sido convocado por Diggle e Smoak para reunir o corpo e a alma de Oliver Queen. Infelizmente, a destruição de múltiplos universos causada pela Crise gerou uma enorme quantidade de turbulência mágica, deixando Constantine incapaz de abrir um portal para o Purgatório como parte do ritual da ressurreição.

Isso levou Constantine a pedir ajuda a Lucifer. O anjo caído não ficou satisfeito ao ver Constantine, mas acabou cedendo, admitindo que devia a Constantine um favor indefinido ao aliado de Lucifer, Mazikeen.

Lucifer forneceu a Constantine uma carta de tarô do Diabo que agia como uma porta de entrada para o Purgatório e enviou os heróis a caminho, descartando suas preocupações sobre toda a realidade chegando ao fim.

A breve cena foi considerada uma das melhores partes do evento e deixou os fãs de Lucifer e Legends of Tomorrow discutindo a possibilidade de um crossover ou, no mínimo, de John Constantine, de Matt Ryan, aparecer em um episódio da quinta temporada de Lucifer.

Os produtores de Lucifer foram rápidos em responder à recepção positiva dos fãs e explicaram o aparente conflito entre as histórias de Crises nas Infinitas Terras e Lucifer, estabelecendo que a cena com Constantine ocorreu antes do início da série Lucifer, quando Lucifer ainda estava vivendo na Terra, mas não engajado em heroísmo proativo como consultor da polícia.

Infelizmente, eles não fizeram nada para resolver o maior problema levantado pelo crossover; Lucifer e Legends of Tomorrow oferecem visões drasticamente diferentes do Inferno.

O inferno de Lucifer era uma prisão gelada, onde almas condenadas eram confinadas a quartos individuais, revivendo continuamente seus maiores pecados – quando não eram torturados por demônios. Lucifer fez inúmeras piadas sobre quais métodos essa tortura envolvia, mas Mazikeen confirmou que eles usavam os pecados de uma pessoa para determinar os meios de punição.

Lucifer também afirmou que existem lugares especiais no Inferno reservados para raças específicas de pecadores, como os valentões da escola. No entanto, o aspecto mais fascinante do inferno de Lucifer era que os mortais só iam para lá se estivessem convencidos, no fundo, de que realmente mereciam estar lá.

Também havia sido especificamente declarado que apenas um anjo pode governar o Inferno, o que levou Lucifer a recuperar seu trono no final da quarta temporada de Lucifer.

Por outro lado, o Inferno representado em Legends of Tomorrow era um deserto urbano em chamas. Enquanto os demônios estavam empregados na tortura dos pecadores, parecia que a maioria era livre para passear pelas ruas do inferno até ser chamada por qualquer demônio que reivindicasse sua alma.

Este Inferno detinha os culpados e inocentes, com o maior fracasso de John Constantine envolvendo a perda de uma jovem chamada Astra Logue para o inferno durante um ritual malfeito.

Segundo o demônio Fucifer, era possível para os mortais condenados adquirir poder na hierarquia do Inferno e eventualmente se tornarem demônios; um processo que uma Astra Logue adulta começou no final da quarta temporada de Legends of Tomorrow, depois que ela adquiriu a propriedade de algumas das piores almas da história.

Em vez de Lucifer, esse inferno foi governado por um triunvirato composto por três demônios: Satanás, Belzebu e Belial.

Deve-se notar também que as duas séries tinham regras drasticamente diferentes em relação à dificuldade em entrar e sair do inferno. Em Lucifer, apenas os anjos tinham o poder de viajar entre o mundo material e a vida após a morte, com os demônios apenas sendo capazes de se manifestar na Terra tomando posse de um corpo humano recentemente falecido.

Em Legends of Tomorrow, John Constantine foi capaz de realizar um ritual que lhes permitia entrar e sair do Inferno sempre que quisessem, e Astra Logue não teve problemas em enviar seu exército de almas condenadas de volta à Terra para causar problemas.

No Brasil, tanto Legends of Tomorrow quanto Lucifer estão disponíveis na Netflix.