Ao longo de Breaking Bad, Marie Schrader teve problemas furtando lojas, mas as razões por trás de sua cleptomania são muito mais profundas do que parecem ser.

Marie é uma personagem secundária em Breaking Bad e, em geral, aparecia como apoio ao seu marido, Hank, especialmente quando ele fica em casa após ser baleado.

Nesses momentos de maior estresse, a personagem sempre retornou aos seus hábitos cleptomaníacos.


Marie tinha problemas com controle. Ela claramente tinha tendências obsessivo-compulsivas, que manifestavam-se em sua cleptomania.

Após o problema ser apresentado na primeira temporada de Breaking Bad, depois de Marie dar uma tiara roubada à filha de Skyler, ele permaneceu fora de cena até a quarta temporada, quando ela começa a roubar coisas de casas abertas à visitação.

Preenchendo o vazio

O problema de Marie nunca esteve nos objetos em si, contudo. Apesar de, aparentemente, ter tudo que precisava, ela carregava uma sensação de vazio. Isso justifica o retorno de seus hábitos quando brigava com Hank, ou quando estava enfrentando dificuldades.

Em outras palavras, Marie roubava como uma forma de lidar com o vazio de sua vida, possivelmente em razão da sensação de adrenalina ao cometer um ato criminoso.

Além disso, a integridade moral dos personagens de Breaking Bad sempre esteve em jogo e Marie sempre julgou rapidamente os outros, mesmo tendo seus próprios segredos.

Ela escondia sua cleptomania, mas julgava os outros sem pestanejar, especialmente sua irmã. Essa é uma forma da série de mostrar que ninguém ali era perfeito, por mais que alguns fossem bem piores que outros.

No Brasil, Breaking Bad pode ser assistida na Netflix.