Na temporada mais recente da série, fãs de Grey’s Anatomy foram pegos de surpresa por uma notícia chocante: Justin Chambers, o Alex Karev, estava se despedindo. O anúncio veio do nada e deixou muitos espectadores sem saber o que pensar.

Com mais personagens podendo seguir o exemplo de Alex Karev a qualquer momento, fãs já enxergam o dia em que Meredith Grey será a única personagem original ainda presente em Grey’s Anatomy.

Uma das despedidas mais tristes de Grey’s Anatomy foi a de George O’Malley, interpretado desde a primeira temporada por T.R. Knight.


A despedida do ator foi tumultuada, marcada pela falta de comunicação com Shonda Rhimes e a maneira inusitada que Grey’s Anatomy encontrou para justificar a morte de O’Malley.

Confira abaixo o que aconteceu com T.R. Knight após sua saída de Grey’s Anatomy!

Saída turbulenta

O papel de George O’Malley na série vinha diminuindo a cada dia, com cada vez menos tramas voltadas para o personagem. Foi esse o motivo da saída do ator em Grey’s Anatomy.

De acordo com o Entertainment Weekly, “T.R. Knight apareceu em um total de 48 minutos durante os primeiros 9 episódios da 5ª temporada de Grey’s Anatomy”.

Por isso e por uma dificuldade incrível de comunicação com Shonda Rhimes, o ator decidiu deixar a série por seus próprios termos e George acabou morrendo no final da 6ª temporada.

Vale lembrar que o ator já havia sido vítimas de comentário homofóbicos nas gravações de Grey’s Anatomy, vindos do colega Isaiah Washington.

Após sua despedida da série, o ator participou de várias séries de TV, destacando-se Law and Order: Special Victims Unit, The Good Wife, na qual apareceu em 7 episódios, The Catch, When We Rise, God Friended Me e finalmente Will and Grace.

O ator também viveu o criador do FBI, J. Edgar Hoover, na série Genius: Einstein.

Knight também dublou Sir Cedric na série animada The Bravest Knight, que conta também com a participação de RuPaul, além de performar em várias peças da Broadway.

Em sua vida pessoal, T.R. Knight se casou em 2013 com o bailarino Patrick B. Leahy.