Uma das séries de maior sucesso da Netflix, Stranger Things, incorpora muitos elementos da cultura pop para construir seu mundo de ficção científica, mas um dos pontos centrais da série foi herdado da vida real, mais especificamente do Projeto MKUltra.

A história de Stranger Things é iniciada em 1983 e acompanha, inicialmente, o desaparecimento de Will Byers. Logo conhecemos a personagem Eleven, cujo passado é revelado aos poucos.

Eventualmente descobrimos que seus poderes são fruto de experiências realizadas em um laboratório secreto na região. São as ações desse laboratório que abrem a brecha, que faz as criaturas do Mundo Invertido entrarem em nosso mundo.


Por mais bizarros que sejam, esses experimentos têm conexão direta com o projeto MKUltra da CIA, e com alguns segredos do governo americano.

O projeto MKUltra

O projeto era essencialmente um programa secreto de controle mental desenvolvido pela CIA (por incrível que pareça, na vida real mesmo). A operação secreta começou em 1953, como uma forma de desenvolver técnicas para superarem os inimigos durante a Guerra Fria.

Através de experimentos em seres humanos, a CIA estava tentando encontrar formas de enfraquecer seus inimigos, a fim de extrair informações com métodos de controle de mentes.

Obviamente, diversos aspectos do Projeto MKUltra eram ilegais, incluindo a utilização não-voluntária de pessoas dos EUA e Canadá.

Os experimentos ocorreram em mais de 80 instituições americanas, incluindo universidades, hospitais e prisões. Alguns dos arquivos da operação foram destruídos pelo diretor da CIA em meio ao escândalo Watergate, mas informações chave sobre o projeto foram divulgadas publicamente em 2001.

O Projeto MKUltra, que inspirou grande parte da trama de Stranger Things, continuou experimentos iniciados durante a Segunda Guerra Mundial, em instituições japonesas e campos de concentração nazistas.

De acordo com documentos da CIA, a operação focou em métodos químicos, biológicos e radiológicos de controle da mente.

Os indivíduos testados eram submetidos a altas doses de drogas psicoativas, como LSD. Muitos receberam tais doses sem saber e interrogados para descobrir se revelariam segredos. Muitos deles também passaram por privação sensorial, hipnose, choques elétricos, abuso e outras formas de tortura.

Como o MKUltra se encaixa com Stranger Things

O projeto secreto da CIA durou décadas, permitindo que fosse utilizado pelos prelúdios em quadrinhos e livros de Stranger Things, além dos flashbacks que vemos na série em si.

O Laboratório Nacional da Hawkins, na série, foi uma das instituições a fazer parte desse projeto sob liderança do Dr. Martin Brenner.

Na série, a mãe de Eleven, Terry Ives, se voluntariou a participar do projeto MKUltra. Durante a experimentação, deram a ela drogas e a privaram de seus sentidos, como nos experimentos da vida real. Ela não sabia que estava grávida, e o Dr. Brenner sequestrou sua criança.

A criança, que viria a ser chamada de Eleven, nasceu com poderes em razão dos experimentos realizados na mãe. Ela se tornou membro de uma nova operação, o Projeto Indigo e o Dr. Brenner também tomou controle das outras crianças nascidas dos indivíduos submetidos aos testes do Projeto MKUltra.

O que aconteceu ao MKUltra

O projeto permaneceu ativo por 20 anos e chegou ao fim em 1973. Detalhes sobre a operação se tornaram públicos dois anos após, mas muitos documentos foram destruídos, tornando impossível tomar ciência do projeto como um todo.

Em 1977, o Projeto foi discutido no Senado e a CIA divulgou cerca de 20 mil páginas de documentos que não foram destruídos.

Obviamente, nem tudo na série relacionado ao projeto é baseado em fatos. Os irmãos Duffer, criadores de Stranger Things, utilizaram inúmeras teorias da conspiração como base, como o projeto Montauk.

Em todo caso, é assustador que algo como em Stranger Things tenha acontecido na vida real.

A quarta temporada de Stranger Things está prevista para 2021. As anteriores estão todas disponíveis na Netflix.