Aqui está por que os fãs de Supernatural ficaram muito irritados quando a série matou Charlie, de Felicia Day, na décima temporada. Enquanto o coração de Supernatural é inegavelmente Sam e Dean Winchester, a série introduziu uma variedade de personalidades imensamente populares ao longo dos anos, com nomes como Castiel, Crowley e Bobby Singer alcançando o status de personagens principais graças a uma resposta positiva dos fãs.

Outra pessoa que chamou a atenção dos fãs em grande parte foi Charlie Bradbury. Uma hacker de meio período e empregada involuntária de Dick Roman, Charlie entra na vida dos Winchesters quando descobre que seu cheque de pagamento é realmente assinado por um Leviatã nas profundezas do purgatório.

Charlie continuou a fazer participações especiais por três temporadas. Com uma personalidade peculiar, Charlie trouxe uma nova dinâmica à série e suas brigas parentais ressoaram com Sam e Dean em um nível emocional, tanto que Charlie se tornou a irmã honorária Winchester.


Na décima temporada, no entanto, tudo deu errado. Naquela época, Sam e Dean estavam brigando com a família Styne e esses vilões queriam o Livro dos Condenados dos Winchesters.

Em vez de destruir o Tomo Antigo, Sam pede a Charlie e Rowena para decodificá-lo, esperando que uma maneira de salvar Dean da Marca de Caim possa ser encontrada lá dentro. A família Styne localiza Charlie enquanto ela trabalha no livro e a mata, deixando apenas um cadáver para os Winchesters encontrarem.

Personagens principais morrem com regularidade alarmante em Supernatural. Sam, Dean e Castiel podem se recuperar repetidamente da vida após a morte, mas nomes como Bobby, Kevin Tran e Jo Harvelle foram mortos, independente de importância ou popularidade.

No entanto, nenhum desses nomes atraiu o mesmo ódio que a morte de Charlie inspirou. Os fãs ficaram furiosos porque Charlie foi expulsa de Supernatural e os membros da equipe criativa do programa até revelaram tentativas nos bastidores para reverter a decisão.

Então, por que, em um mundo onde a morte é tão comum, os fãs de Supernatural ficaram particularmente arrasados por perder Charlie?

Fãs frustrados

Indiscutivelmente, o maior problema é a maneira de sair de Felicia Day. O momento fatídico chega praticamente do nada no final da décima temporada de Supernatural, como cortesia de Eldon Styne.

Em vez de marcar uma escalada na história de Styne, no entanto, tudo é encerrado no próximo episódio, pois Dean mata toda a família como vingança. Na verdade, Supernatural sacrificou Charlie para empurrar Dean para abraçar a influência violenta da Marca de Caim, que por sua vez o leva à Morte e à liberação das Trevas no final da temporada.

Charlie foi apenas um pequeno passo para levar Dean Winchester do ponto A ao ponto B, e isso fez uma morte já controversa exponencialmente pior. Muitos também acharam a morte de Charlie altamente artificial – deixar a proteção de Castiel, apesar de saber que a família Styne estava rondando, foi um erro bobo para uma personagem tão inteligente.

O assassinato de Charlie Bradbury foi desnecessário do ponto de vista da história, mas a reação também foi desencadeada pelo que a personagem representou em Supernatural. Charlie era uma lufada de ar fresco no mundo dos Winchesters, e enquanto Supernatural já havia introduzido geeks antes, Charlie era real e tridimensional.

Significativamente, Charlie também foi uma das poucas personagens gays em Supernatural, significando que sua morte sem sentido deixou para trás um gosto ainda mais azedo. A saída de Supernatural de Charlie não foi inteiramente sem mérito.

Perder a irmã adotiva foi um motivo justificável para deixar Dean selvagem e não há como negar o impacto emocional quando os irmãos Winchester encontram o corpo sem vida de Charlie. No entanto, a personagem de Day não mereceu o golpe e, talvez percebendo seu erro, Supernatural trouxe uma versão alternativa dela para a série para a décima terceira temporada.

Na TV norte-americana, Supernatural deve voltar com seus episódios finais ainda em 2020.