Com um catálogo de milhares de filmes e séries, é claro que certas produções da Netflix, como Stranger Things, seriam alvos de críticas e boicotes. Principalmente pelas redes sociais, qualquer mídia está aberta a interpretações divergentes, e pode causar impacto importante na vida real.

No caso específico da série mais famosa da plataforma, um aspecto foi altamente criticado por organizações especializadas, e causou uma mudança real no conteúdo.

Mas afinal de contas, o que a Netflix precisou mudar em Stranger Things para responder às críticas do público?


Confira abaixo tudo que aconteceu!

Polêmica 

Stranger Things é (discutivelmente) o maior sucesso da Netflix, contando com 3 temporadas extremamente elogiadas por público e crítica. 

No entanto, nem só de aclamação vive a história de Eleven e os jovens de Hawkins, Indiana. 

Em 2019, a Netflix foi alvo de uma campanha a organização Truth Initiative, um grupo anti-tabagista, que afirmou que a maneira com a plataforma retrata o fumo em uma série voltada para jovens é irresponsável. 

Segundo o grupo, as referências e cenas envolvendo cigarro na série, que vale lembrar é ambientada nos anos 80, dobraram da primeira temporada para a segunda. 

“Estamos comprometidos a tornar o uso de tabaco nos Estados Unidos uma coisa do passado. Constatamos que até a terceira temporada, todos os episódios de Stranger Things contaram com cenas de fumo direto ou indireto”, afirmou a organização.

Após as críticas, a Netflix afirmou que vai se comprometer a diminuir as cenas de fumo em suas produções.

“A Netflix sempre apoiou a expressão artística. Também reconhecemos que fumar é prejudicial, e que retratar o ato de maneira positiva nas telas pode influenciar de maneira errada os mais jovens. A partir de agora, todos os projetos voltados para menores de 14 anos serão livres de cigarros, tradicionais e eletrônicos – exceto por razões históricas ou fidelidade factual”, afirmou a plataforma.

Stranger Things já foi renovada para a quarta temporada.