Alerta de spoilers!

Quando foi revelado que Lucifer faz parte do Arrowverso, através de breve aparição no crossover Crise nas Infinitas Terras, que contou com participação de Constantine, foi gerado um grande problema para as séries.

Isso aconteceu em razão dos infernos das séries do Arrowverso – mais especificamente de Legends of Tomorrow – e de Lucifer serem essencialmente diferentes até então.

Em Legends of Tomorrow o Inferno é controlado por um triunvirato composto por Satã, Belial e Beelzebub. Já em Lucifer, na quarta temporada, foi revelado que somente um anjo poderia governar o Inferno.


Não bastasse isso, há uma diferença enorme no visual do Inferno em si. Enquanto em Legends of Tomorrow, vemos algo mais clássico, com fogo, calor, em Lucifer a impressão é de algo gélido, apesar das cinzas que caem dos céus.

Felizmente, a 5ª temporada da série da Netflix resolve tais questões de maneira definitiva. Em certo momento, Deus decreta que o Inferno não precisa mais de um governante angelical.

Isso abre precedente para que o triunvirato seja criado, explicando o furo no roteiro correspondente a Legends of Tomorrow.

Outro problema

A temporada acaba criando outro problema, contudo. Logo no primeiro episódio é revelado que Lucifer pode parar o ciclo infinito de tortura quando quiser. Ele pode essencialmente pausar os demônios que torturam os humanos.

Mas na 2ª temporada vemos Lucifer sendo torturado, forçado a matar seu irmão Uriel repetidas vezes. Assim sendo, por que ele não simplesmente parou esse ciclo?

Uma possível explicação é que Lucifer acreditava merecer tal punição, por isso continuou com ela. Outra possibilidade é que ele havia perdido tal controle ao abandonar o posto de governante do Inferno.

De qualquer forma, é uma dúvida deixada no ar pela série.

A primeira parte da 5ª temporada de Lucifer já está disponível na Netflix.