Com o lançamento recente de sua temporada final, Dark se estabeleceu como uma das melhores séries da Netflix. A produção alemã contou uma interessante história de suspense, com viagens no tempo e grandes paradoxos.

O final da série foi considerado um dos mais satisfatórios da história da Netflix, conquistando público, crítica e até mesmo espectadores novos que ainda não conheciam a história.

Após o fim de Dark, fãs da série se sentiram “órfãos”. Agora, a Netflix celebra o lançamento de uma nova produção alemã, que assim como Dark, é ambientada em um mundo de ficção científica.


Confira abaixo tudo sobre a série Biohackers!

A trama de Biohackers

Originalmente, Biohackers seria lançada em abril de 2020, no auge da pandemia do coronavírus. Devido ao conteúdo da produção, a Netflix adiou a estreia da produção, que chegou à plataforma em 20 de agosto.

“Não queríamos criar medo ou encorajar teorias da conspiração, então movemos a data de estreia um pouco para a frente. O que esperávamos é que as pessoas entendessem mais sobre a doença e distinguissem melhor fatos e ficção”, afirmou o diretor Christian Ditter.

Biohackers acompanha a história de Mia, uma jovem estudante recém-chegada a uma conceituada faculdade de medicina. Na instituição, a protagonista se envolve com a misteriosa professora Tanja Lorenz e passa a se interessar pela revolucionária tecnologia de “hacking biológico”.

Para solucionar os mistérios envolvendo a morte de seu irmão, Mia entra no perigoso mundo das experiências genéticas ilegais. Em sua jornada em busca de respostas, a personagem conta com a ajuda de Jasper, um biólogo genial, e seu mal-humorado colega de quarto Niklas.

Mas afinal de contas, o que é “biohacking”? O movimento é descrito como “a prática de misturar biologia com ética hacker”.

“Biohacking” abrange um grande espectro de práticas e movimentos, desde especialistas que projetam e instalam aprimoramentos corporais DIY, como implantes magnéticos, até biólogos que conduzem sequenciamento genético em suas casas.

A prática está emergindo em um tendência crescente de desenvolvimento científico e tecnológico não-institucional. Muitos ativistas do biohacking, ou biohackers, identificam-se com o movimento biopunk, como o transumanismo e o tecnoprogressivismo.

Todas essas correntes são pelo menos citadas na série da Netflix, e algumas delas são explicadas a fundo na produção alemã.

O elenco de Biohackers conta com Luna Wedler, Thomas Prenn, Adrian Julius, Cristina Andrione, Manuel Boecker e Zeynep Bozbay.

Os 6 episódios da primeira temporada de Biohackers já estão disponíveis na Netflix!