The Boys mostra o que Vingadores: Ultimato deveria ter feito na Marvel!

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Alerta de spoilers!

Representatividade é algo extremamente importante em qualquer filme ou série, mas existem maneiras corretas de fazer isso, sem soar apenas como uma forma de lucrar em cima de causas sérias. Agora, o episódio final da segunda temporada de The Boys mostrou a Vingadores: Ultimato, como trazer representatividade feminina do jeito certo.

Em Vingadores: Ultimato, durante a batalha final, vemos as heroínas da Marvel se juntando para levar as Joias do Infinito até a van do Homem-Formiga. A cena soa artificial, visto que elas se juntam convenientemente de última hora e ainda tem uma cena com elas todas juntas que chega a ser ironizada em The Boys.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Já no fim da 2ª temporada da série da Amazon, vemos algo realmente bem feito, com a presença das personagens femininas justificadas ali. Elas não se juntam por acaso.

A cena em questão mostra Kimiko, Maeve e Starlight lutando contra Stormfront (Tempesta). A cena é praticamente igual aos quadrinhos originais, mas com gêneros invertidos.

Nas HQs, quem acaba com Stormfront (que é homem), é o Salsicha do amor, Frenchie, Butcher e Leitinho.

Veja a página dos quadrinhos, abaixo.

Palavras finais da Tempesta

Um aspecto do final da segunda temporada de The Boys deixou muitos fãs confusos; as palavras finais que Tempesta falou em alemão durante sua cena final no episódio.

A superpoderosa nazista voltou para sua língua nativa, entregando um diálogo que era incompreensível para os espectadores que não tinham uma audição incrivelmente nítida e não entendiam alemão.

Uma das revelações mais chocantes da segunda temporada de The Boys foi que Tempesta, uma jovem heroína popular recentemente recrutada para os Sete, não era o que parecia ser em vários níveis.

A equipe descobriu no início da segunda temporada que Tempesta era uma racista, que saiu de seu caminho para matar civis inocentes não-brancos enquanto perseguia um suposto terrorista supervilão.

Mais tarde, a equipe descobriu que ela também tinha uma vida incrivelmente longa, tendo lutado contra o crime sob o codinome Liberdade várias décadas antes.

Ela acabou sendo revelada mais velha ainda, tendo sido casada com o Dr. Frederick Vought, o cientista nazista que criou a fórmula Composto-V que dá superpoderes às pessoas.

O final da segunda temporada de The Boys mostrou a equipe enfrentando Tempesta, durante uma tentativa de salvar o filho de Becca Butcher, Ryan, da cabana onde ele estava sendo mantido por Tempesta e Capitão Pátria.

O confronto acabou com os dois super-heróis separados e Tempesta atordoada e confusa, mal conseguindo falar e resmungar para si mesma em alemão.

Ela ficou um pouco mais animada quando Capitão Pátria a encontrou, mas ainda falava em um alemão bastante ininteligível, com uma frase, “Schatten eines Apfelbaum” ou “sombra de uma macieira”, sendo repetida duas vezes.

Um usuário do Reddit transcreveu e traduziu de forma prestativa o texto completo do diálogo de Tempesta, revelando que Tempesta estava relembrando um belo momento com seu marido e filha, enquanto eles se sentavam à sombra de uma macieira.

Quando Capitão Pátria chegou, ela aparentemente o viu como seu marido e disse: “Você se lembra do dia, Frederick? Os braços de Chloe para fora da janela do carro. Encontramos o local perfeito perto do rio, à sombra de uma macieira. Foi a primeira vez Chloe comeu maçãs frescas.”

Mais tarde, ela murmurou para si mesma: “Foi tão maravilhoso. Eu queria que nunca acabasse.”

Poderia ter sido um momento doce e triste, se você ignorasse que a memória estava vindo de uma mulher tentando iniciar uma guerra racial com um exército de soldados sobre-humanos.

Há outro ponto digno de nota a respeito da frase “sombra de uma macieira”, que se destaca no diálogo de Tempesta.

“In The Shade Of The Old Apple Tree” (ou “À Sombra da Velha Macieira”) foi o título de uma popular canção de amor escrita em 1905, co-escrita pelo compositor germano-americano Egbert Van Alstyne.

No entanto, a música é mais lembrada hoje por conta de músicos de jazz afro-americanos como Duke Ellington e Louis Armstrong; algo que certamente irritaria qualquer nazista de longa vida.

Embora isso possa ser uma coincidência, não seria a referência mais obscura que The Boys já revelou e serviria como um contraponto interessante à obsessão de Hughie Campbell por Billy Joel.

As duas primeiras temporadas de The Boys estão agora disponíveis no Amazon Prime Video.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio