Alerta de spoilers!

A quarta temporada de The Crown apresenta os espectadores a Michael Fagan, o homem que invadiu o palácio de Buckingham não uma, mas duas vezes para falar com a Rainha.

O pintor e decorador vivido por Tom Brooke é mostrado reclamando da situação da parcela mais pobre da população britânica, em meio ao governo da primeira ministra Margaret Thatcher.

A série, contudo, não mostra o que aconteceu a Fagan após essas duas invasões. Felizmente, a vida real tem a resposta para essa questão.


Fagan estava passando por dificuldades após o término do seu casamento, quando invadiu o palácio. Seu estado mental chegou a ser levado em consideração quando ele foi preso e acabou sendo levado para um hospital psiquiátrico por três meses.

O que ele fez desde então?

Desde então, Fagan gravou uma versão de God Save the Queen, com uma banda punk britânica, chamada Bollock Brothers.

Isso antes dele entrar em mais problemas com a lei – primeiro por ter agredido um policial em 1984 e, em 1997, por porte de drogas ilegais, que ocasionaram em sua prisão por quatro anos.

Em entrevistas desde então (via matéria de Simon Gallagher, do ScreenRant), Fagan confirmou por que pensou em falar com a Rainha.

“A Rainha, para mim, representava tudo que estava me deixando para baixo e minha falta de voz. Eu só queria que ela soubesse como é a sensação de ser um cara normal tentando viver a cada dia”.

Independente de ter conseguido isso ou não, ele causou grande alvoroço, a tal ponto que toda a segurança em torno da Família Real foi reorganizada. Além disso, invadir o palácio de Buckingham tornou-se um crime.

A quarta temporada de The Crown já está disponível na Netflix, assim como as anteriores.