O Gambito da Rainha ignora algo importante na Netflix; veja

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O que O Gambito da Rainha da Netflix deixa de fora sobre o xadrez?

O Gambito da Rainha, baseada no romance homônimo de Walter Tevis de 1983, foi aclamada, e com razão, por seu retrato preciso do xadrez competitivo, tornando-a uma das adaptações para a tela de maior sucesso do jogo, além de Rainha de Katwe e Lances Inocentes.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O arco da maioridade de Beth (Anya Taylor Joy) em meio ao mundo do xadrez dominado pelos homens durante a era da Guerra Fria é complexo e interessante, e é catártico ver Beth triunfar de mais maneiras do que uma ao final de O Gambito da Rainha.

Embora o retrato do programa de xadrez competitivo tenha sido elogiado por especialistas em xadrez da vida real, O Gambito da Rainha apresenta algumas imprecisões e premissas irrealistas em prol da dramatização narrativa.

Em uma análise da precisão da minissérie, a campeã americana de xadrez Jennifer Shahade disse à Vanity Fair que o vício em espiral de Beth parece fora de lugar em conjunto com seus instintos como jogadora de xadrez.

Shahade postula que o xadrez é um esporte mentalmente cansativo, que requer acuidade e foco elevados, e é altamente improvável que os tranquilizantes desencadeiem visões de possíveis movimentos de xadrez.

Embora não seja impossível para jogadores profissionais abrigarem vícios, seria mais adequado para aliviar o estresse ou ansiedade do que melhorar o jogo.

Além disso, foi apontado que a classificação de Beth de 1.800 não faz sentido no mundo real, já que o fato de ela vencer dois jogadores de alto nível, junto com um Grande Mestre em Pittsburg, deveria colocá-la idealmente muito mais alta, provisoriamente em torno de 2.300 ou 2400.

Imprecisões da minissérie

O Gambito da Rainha também deixa de fora vários detalhes envolvidos no xadrez competitivo, o que é compreensível, já que a simplicidade narrativa e a acessibilidade do público desempenham um papel seminal em termos de sucesso do programa.

Uma coisa que a minissérie deixa de fora, ou altera ligeiramente, é a maneira como os oponentes de Beth anunciam o adiamento, após o qual um árbitro traz um envelope para selar um movimento.

Em cenários do mundo real, o árbitro é quase sempre aquele que intervém no final do controle de tempo e é ele quem informa aos jogadores que é hora de encerrar. Além disso, o fato de que Beth sela o próximo movimento no lugar de seus oponentes que propuseram o adiamento é impreciso.

Não há empates representados na minissérie, mas como uma jogadora de xadrez fervorosa, Beth teria que empatar de vez em quando.

O público atento apontou discrepâncias mais sutis em termos de jogadas de xadrez. Por exemplo, no primeiro jogo de Beth contra Benny, ela joga um Siciliano Aberto, mas no final do jogo pode-se ver que ela tem um peão em d2, alterado durante o terceiro movimento.

Também não é provável que os competidores falem durante alguns dos jogos, a não ser quando oferecem empate, pois é considerado falta de espírito esportivo e é contra as regras.

Mais uma vez, este detalhe-chave é deliberadamente deixado de fora pela minissérie em prol do desenvolvimento e dramatização da personagem, e com razão, já que essas conversas emprestam um ar de excitação tensa ao oferecer mais informações sobre a visão de mundo de Beth.

Deixando de lado esses descuidos, O Gambito da Rainha consegue imbuir o esporte com uma aura de autenticidade, razão pela qual é um drama competitivo de xadrez atraente e imperdível.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio