Atriz de The Crown reage à interferência do governo britânico na Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

The Crown tem gerado bastante polêmica em razão da forma como retrata a família real britânica, com muitos falando sobre como a série deveria avisar que se trata de uma abordagem fictícia e dramatizada.

Agora foi Helena Bonham Carter, que interpreta a Princesa Margaret nas temporadas 3 e 4 da série da Netflix, quem posicionou-se sobre o assunto.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“É dramatizado. Sinto que temos a responsabilidade moral de dizer que isso não é um documentário, devemos dizer que estamos fazendo uma série dramática. São duas coisas diferentes”.

A atriz de The Crown, contudo, elogiou a pesquisa realizada pelo criador e roteirista da série, Peter Morgan.

“Isso sim é um documentário. É incrível, então ele troca algumas coisas e mexe em outras”.

Governo britânico exige mudança em The Crown

O secretário de cultura do Reino Unido planeja escrever para a Netflix e solicitar que um “alerta” seja exibido antes de The Crown para que os telespectadores saibam que o drama histórico é uma obra de ficção, disse ele em uma intervenção que gerou críticas.

Oliver Dowden disse que, sem a advertência, os espectadores mais jovens que não viveram os eventos podem “confundir ficção com fato”, após queixas de que a quarta temporada do drama abusou de sua licença artística e fabricou eventos.

Ele disse ao Daily Mail recentemente: “É uma obra de ficção lindamente produzida, então, como acontece com outras produções de TV, a Netflix deveria ser muito clara no início de que é apenas ficção. Sem isso, temo que uma geração de espectadores que não viveram durante estes eventos possa confundir ficção com fato.”

No momento, os telespectadores são alertados de que o programa contém referências a nudez, sexo, violência e suicídio, e é adequado para espectadores com 14 anos ou mais.

O movimento foi ridicularizado por historiadores, incluindo a professora Kate Williams, que disse que parecia uma “distração”.

Alex von Tunzelmann, historiador que escreveu uma coluna para o Guardian, comentou: “A Netflix já diz às pessoas que The Crown é ficção. É considerado um drama. Essas pessoas são atores. Eu sei! Explode sua mente.”

A quarta temporada do drama histórico, que se concentra no final dos anos 1970 e 80 com a ascensão e queda de Margaret Thatcher, o conflito das Malvinas e o casamento de Lady Diana Spencer com o príncipe Charles, suscitou muitas críticas.

As acusações de imprecisões na produção de Peter Morgan vão desde mostrar repetidamente a Rainha “vestida erroneamente” até disputas sobre a técnica de pesca de Charles.

Mas o maior ponto de discórdia gira em torno da descrição do casamento de Charles com Diana. Ele é retratado telefonando para Camilla Parker Bowles todos os dias nos primeiros anos do casamento, e Diana é retratada forçando uma mudança nos planos do casal para a Austrália depois de ter um acesso de raiva.

Morgan já havia falado sobre o encontro com o Príncipe Charles e que ele disse que escrever o roteiro é um trabalho difícil e que “não é o que você mostra, mas o que você deixa de fora que é o mais importante”.

“Ele é um daqueles personagens pelos quais você tem simpatia e crítica em igual medida, uma atitude talvez não incomum em relação à monarquia em geral”, disse Morgan ao New York Times.

Sarah Horsley, cujo marido, o major Hugh Lindsay, morreu em uma avalanche enquanto esquiava com o príncipe, disse que escreveu a Morgan pedindo que a morte do marido não fosse dramatizada.

Ela disse que “a família real tem que sorrir e suportar” a representação deles no episódio da avalanche, mas para ela foi “uma tragédia muito particular”.

A intervenção é a mais recente de Dowden, que contatou a BBC para expressar suas preocupações de que “Rule Britannia!” pode não ser tocada no evento de 2020.

Em setembro, ele escreveu aos diretores de museus do Reino Unido dizendo “o governo não apoia a remoção de estátuas ou outros objetos semelhantes” depois que um debate começou sobre como lidar com artefatos da era colonial e aqueles com conexões com a escravidão.

The Crown também foi elogiada por apresentar a família real como “gente de verdade”. Outros apontaram que a infidelidade e os problemas conjugais de Charles e Diana estão bem registrados – inclusive nas entrevistas que ambos deram.

A Netflix não quis comentar, mas uma fonte disse ao Guardian que foi amplamente divulgado que The Crown era somente um drama baseado em eventos da vida real.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio