Bridgerton supera Outlander e outras séries com uma cena na Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Atenção! Contém spoilers de Bridgerton!

Bridgerton acompanha a história da Família Bridgerton, um clã de aristocratas vivendo em Londres durante o período da Regência, no início do século XIX.

Mesmo durando poucas décadas, a Regência é conhecida como uma época de grandes avanços e tendências diferenciadas nas belas-artes, arquitetura, moda e etiqueta.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Bridgerton foca principalmente na primogênita dos Bridgerton: Daphne. A jovem procurar pelo amor verdadeiro e um casamento à altura após ser apresentada à sociedade em 1813 pela Rainha Charlotte.

Enquanto lida com as expectativas da elite, Daphne é obrigada a lidar com os escandalosos boatos divulgados pela Lady Whistledown, a misteriosa autora de um “boletim de fofocas” publicado semanalmente.

Segundo o site Digital Spy, uma cena polêmica da primeira temporada deixou outras séries de época – como Outlander – no chinelo.

Confira abaixo!

Passo importante

Shonda Rhimes fez questão de adotar um tom feminista em Bridgerton! A produção de época toca em algumas das questões mais importantes para as mulheres, além de contar com uma inovadora cena de masturbação feminina.

Vale lembrar que a cena é centrada no prazer feminino, acompanhando a jornada de autodescoberta da protagonista da série.

Caracterizações saudáveis do prazer feminino são mais comuns hoje em dia, com produções de época abrindo o caminho na TV e cinema.

Mesmo assim, o estímulo vaginal e do clitóris é basicamente um território não explorado no gênero.

Em Bridgerton, a heroína Daphne descobre o próprio prazer em uma ferramenta narrativa pioneira, que expõe a hipocrisia do binarismo sexual, especialmente em tempos mais antigos.

Na trama da série – e na vida real – o ato sexual era visto como uma atividade extremamente heteronormativa, centrando sempre no prazer dos homens e “dever” das mulheres.

Sendo assim, o sexo deixava de ser uma atividade prazerosa e se tornava uma “tarefa”, algo que as mulheres deveriam suportar para agradar os maridos e, é claro, gerar herdeiros.

Além disso, o sexo era reservado exclusivamente para mulheres casadas. Se uma jovem optasse por seguir os instintos e descobrir o prazer antes do casamento, seu status social era imediatamente prejudicado.

Em um sistema que considera a virgindade a qualidade mais atrativa em uma mulher, jovens respeitáveis não podiam conhecer os próprios corpos. Enquanto isso, homens ficavam livres para affairs e visitas a prostíbulos e amantes.

Com a inovadora cena de masturbação, Bridgerton mostra que mulheres sempre tiveram desejos sexuais e necessidades corporais. O fato da protagonista Daphne tomar o desejo nas próprias mãos completa o tom feminista da produção.

A primeira temporada de Bridgerton já está disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio