Publicidade

Episódio mais perturbador de Black Mirror não é o que você imagina

Publicado por Victor Carvalho

11/12/2020 17:00

Black Mirror é conhecida por seus conteúdos perturbadores e inquietantes, mas nenhum deles se compara ao terceiro episódio da terceira temporada, “Shut Up And Dance”. A série de antologias de Charlie Brooker tradicionalmente comenta questões sociais e políticas.

Em “Shut Up And Dance”, ele conta a história de um jovem com um segredo que não deve ser revelado ou toda a sua vida estará arruinada, mas será que ele deveria ser protegido?

Embora a série tenha vários episódios que podem ser qualificados como os mais perturbadores de Black Mirror, aqui está por que o título pertence definitivamente a “Shut Up And Dance”.

A série distópica de Charlie Brooker estreou em 2011 através da estação de transmissão britânica Channel 4.

Após a segunda temporada, foi adquirida pela Netflix. No momento em que este artigo foi escrito, a série era composta de 22 episódios e um longa-metragem. Durante sua mudança para o serviço de streaming principal, o quarto episódio da segunda temporada, “White Christmas”, foi lançado e continua sendo seu único especial de feriado.

É um dos episódios de maior audiência até hoje, mas também é considerado por muitos como o mais perturbador de Black Mirror. Sem dúvida, há momentos e cenas perturbadores em “White Christmas”, mas eles estão longe de se compararem a “Shut Up And Dance”.

Black Mirror é frequentemente considerada como a Além da Imaginação desta geração, e “Shut Up And Dance” é o epítome dessa atribuição.

Como a intenção da série é investigar o impacto da tecnologia na humanidade à medida que ela continua avançando, ela finalmente descobre que a humanidade cairá como resultado de uma dependência excessiva dela, bem como de vários outros fatores perigosos que existem na Internet.

Da mesma forma, Além da Imaginação apresenta vários exemplos de avanços tecnológicos que impactam negativamente a humanidade.

No caso de Black Mirror, “Shut Up And Dance” inclui tecnologia básica que existe atualmente e propõe uma possibilidade estranha que se assemelha àquelas que estão presentes na série de Rod Sterling.

Isso também é parte do motivo pelo qual “Shut Up And Dance” é tão perturbador – é um espelho direto para um dos elementos mais sombrios da vida real.

Episódio mais perturbador

“Shut Up And Dance” é estrelado por Alex Lawther (The End of the F***ing World) como Kenny, um jovem que está sendo chantageado por um grupo de hackers que o filmou se masturbando na frente de seu computador.

O público é levado a acreditar que a ação é relativamente inofensiva e que a severidade das solicitações feitas por seus chantagistas é totalmente infundada.

Assim que o episódio termina com Kenny se encontrando com outra vítima de chantagem, é revelado que eles compartilham um ponto em comum: os dois estavam vendo pornografia infantil.

Para evitar que seu segredo vaze, eles são instruídos a lutar até a morte. Apesar do fato de Kenny vencer, os chantagistas divulgam as evidências de qualquer maneira.

Um dos aspectos mais perturbadores de “Shut Up And Dance” é a frequência com que os comportamentos predatórios de Kenny estão secretamente presentes ao longo de todo o episódio antes da revelação. As interações de Kenny com as crianças são visivelmente diferentes daquelas com os adultos.

Ele também está ciente de como suas ações são erradas. Antes de se masturbar, Kenny verifica as portas, remove malware de seu computador, fecha as cortinas e garante que ninguém saiba o que ele está fazendo. Uma vez que os hackers sabem seu segredo, ele faz tudo o que pode para garantir que não seja revelado, incluindo matar um homem.

Embora o episódio em si tenha conteúdo perturbador, a possibilidade de pessoas como Kenny andarem por aí sem levantar suspeitas é muito mais inquietante – especialmente porque pessoas como Kenny existem na vida real.

Brooker força o público a reconhecer que esse tipo de mal assume diferentes formas e pode ser o garoto da porta ao lado, um funcionário de um restaurante ou até mesmo um colega de trabalho de confiança.

A pior parte é que os espectadores nem sabem o que Kenny fez até o fim, o que os faz torcer por seu triunfo durante o episódio.

Essa é uma maneira inteligente e desconcertante de subverter o roteiro para o público. Embora os hackers sejam considerados o mal supremo, eles estão, na verdade, garantindo que pessoas como Kenny não escapem impunes de seus crimes.

A afinidade de Kenny com a pornografia infantil é perturbadora por si só, mas a possibilidade de centenas de pessoas como ele andando por aí neste exato momento é o que torna “Shut Up And Dance” o episódio mais perturbador de Black Mirror até hoje.

Publicidade