Verdade sobre episódio mais chocante de Breaking Bad é de cair o queixo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Ozymandias” é o episódio em que Mr. Chips completa sua jornada para se tornar Scarface. Enquanto Walter White/Heisenberg fez um monte de coisas terríveis antes do episódio antepenúltimo de Breaking Bad da AMC, seu mundo inteiro foi despedaçado para sempre neste episódio chocante dirigido por Rian Johnson.

Se você não consegue se lembrar, o episódio que muitas vezes é considerado o episódio mais “louco” de Breaking Bad começou com o trágico assassinato de Hank Schrader (Dean Norris) nas mãos de um bando de neonazistas, continuou com a traição de Jesse Pinkman de Aaron Paul e culminou com Walter White (Bryan Cranston) fugindo depois de não conseguir convencer sua família a ir com ele… Ah, e há uma breve história dele sequestrando sua filha.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sim, “Ozymandias” é completamente insano.

Enquanto os fãs da série ainda estão procurando por detalhes que perderam, os segredos formais dos bastidores revelam muito sobre o que os cineastas pretendiam. Em termos de “Ozymandias”, The Ringer publicou uma soberba história oral da realização do episódio.

Dentro do artigo está a verdade sobre o que exatamente aconteceu nesses 57 minutos absolutamente estelares de trauma emocional.

Marcante episódio

Todo o tema do episódio “Ozymandias” foi derivado do poema de mesmo nome de Percy Bysshe Shelley. Embora o criador de Breaking Bad, Vince Gilligan, afirme que não tinha um plano mestre, permitir que a inspiração desse poema antigo fizesse todo o sentido para o que precisava acontecer com Walter White de Bryan Cranston.

No episódio, Walter finalmente paga por tudo que fez… Ele perde o cunhado, perde o parceiro e perde toda a família para sempre.

Seu império se despedaça e, assim como o personagem do poema, seu legado se reduz às areias do deserto.

Muita coisa vai acontecer no penúltimo episódio da série.

Como Moira Walley-Beckett (roteirista do programa e co-produtora executiva) disse em entrevista ao The Ringer:

“Ficou claro para nós na sala dos roteiristas que, naquele ponto da temporada, todas as galinhas voltariam para o poleiro. Cada consequência de cada uma das escolhas de Walt estava acontecendo com uma força inacreditável, brutalidade, crueldade, angústia, terror – tudo. E tudo ia acontecer naquele episódio. E tinha que acontecer.”

E tudo isso fazia sentido dada a conexão temática de Breaking Bad com o poema, que viu um grande rei perder tudo o que ele já construiu e foi esquecido nas areias literais do tempo.

Então, é claro, eles tiveram que definir o momento mais horrível do episódio no deserto. E este momento foi, claro, a morte de Hank.

Dean Norris pode não ter recebido tanto quanto Bryan Cranston e Aaron Paul, mas seu personagem, o cunhado/agente da DEA, foi facilmente um dos mais importantes desde o primeiro episódio. Então, finalmente matá-lo tinha que ser feito com respeito.

“Era muito importante para nós que Hank saísse como um homem; saísse como o agente da DEA durão que era”, disse Vince Gilligan ao The Ringer.

No momento final entre Walt e Hank, é Walt quem parece fraco… embora Hank seja aquele que claramente será morto pelo líder de gangue neonazista Jack Welker.

“Nós sabíamos, dentro da realidade das circunstâncias, que não havia como Hank viver”, disse a escritora Moira Walley-Beckett.

“Walt foi incapaz de avaliar sua culpa”, disse Bryan Cranston sobre o momento final de seu personagem com Hank.

“E então implorou a Jack, porque colocou Hank nessa posição – tudo o que estava acontecendo, agora se desdobrando no mundo de Walt, era devido em circunstâncias incertas a ele mesmo.”

“Ele era um homem que não tinha o luxo de operar fora de seu ego durante a maior parte de sua vida. E então, nos últimos dois anos de sua vida, tornou-se principalmente funcionar pelo ego.”

“Então agora olhamos para esta situação, e ele estava desesperado e implorando. Era tão difícil para para entender por que um homem não imploraria por sua própria vida.”

Claro, esse fato levou a uma das falas mais comoventes da série.

Depois que Walt implora a Hank para implorar por sua vida, Hank diz: “Você quer que eu implore? Você é o cara mais inteligente que já conheci e você é muito estúpido para ver – ele se decidiu há 10 minutos.”

“Do ponto de vista de um policial, ele simplesmente sabia. Ele nunca iria sair de lá vivo”, disse Bryan.

Essa fala inspirou Dean Norris a pedir ao diretor Rian Johnson que comprasse uma terceira câmera para filmar a compreensão de seu personagem de que ele iria morrer.

“Lembro-me de perguntar a Rian Johnson alguns dias antes”, explicou Dean Norris na entrevista.

“Eu disse: ‘Ei, eu sei que haverá uma câmera com minha perspectiva para o vilão e haverá uma com minha perspectiva para Bryan. Eu só preciso de uma pequena câmera particular em mim. Ele vai difícil, mas qualquer um que saiba que eles vão morrer terá, obviamente, um momento de aflição.”

“E ele me deu uma pequena câmera. Então, há três câmeras na cena final.”

Graças à sugestão de Dean e à infinita preparação e consideração da equipe, eles acabaram fazendo a cena da morte em uma tomada.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio