Entenda sobre o que realmente é a série de Nicolas Cage na Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A História do Palavrão, nova série de Nicolas Cage na Netflix, estreou no dia 5 de janeiro na Netflix. Mas sobre o que a obra realmente se trata?

O seriado traz Nicolas Cage como mestre de cerimônias, que lidera um elenco de comediantes conforme eles falam sobre as origens de seis famosos palavrões da língua inglesa: f*ck, sh*t, d*ck, p*ssy e damn que podem ser traduzidos para f*da, m*rda, p*u, b*ceta, e caramba (esse realmente nem é um palavrão de verdade).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A série foi bem recebida nas redes sociais e chegou a agradar alguns críticos. Jen Chaney, do Vulture, elogiou seus episódios curtos, mérito educativo e a “inimitável presença” de Nicolas Cage.

“Gostaria que a série da Netflix sobre palavrões, apresentada por Nicolas Cage, fosse mais longa! A etimologia é genuinamente interessante e 20 minutos por episódio mal arranha a superfície”, escreveu Caroline Framke, da Variety.

Esses seis episódios de A História do Palavrão são listados como 1ª temporada pela Netflix, então é possível que vejamos novas temporadas, abordando outros palavrões.

A História do Palavrão está disponível na Netflix.

Filme do Superman com Nicolas Cage

Em 1999, o diretor Tim Burton, que dirigiu os dois filmes do Batman com Michael Keaton, falou no programa de Howard Stern sobre seu filme cancelado do Superman.

Segundo o diretor, tudo se resume ao fato desses filmes terem começado a parecer parte de uma franquia, ao invés de experiências individuais – o que é irônico, se levarmos em conta o cenário atual.

“Esses estúdios se tornaram, tipo, essas grandes corporações”, disse Burton. “Você meio que tem de criar personagens para o McLanche Feliz antes de fazê-los para o filme”.

Tim Burton disse que ele desagradou o estúdio e um dos seus maiores parceiros financeiros quando ele lançou Batman: O Retorno.

“Eu irritei o McDonald’s porque eles pensaram que o filme era sombrio demais. Elas acharam que as coisas pretas saindo da boca do Pinguim eram parecidas demais com os ingredientes de suas comidas ou algo assim”.

Foi justamente essa diferença criativa entre Tim Burton e o estúdio que o fizeram sair do terceiro filme do Batman, que acabou se tornando o terrível Batman Eternamente.

Já o filme de Superman, intitulado Superman Lives, foi inicialmente concebido por Kevin Smith. Mas, segundo entrevista ao The New York Post, a Warner não estava interessada no personagem em si e sim quanto dinheiro ele poderia trazer.

Ainda assim, Smith pensou em maneiras criativas de agradar o estúdio, sem sacrificar o personagem, o que atraiu Tim Burton para tentar melhor o trabalho de Kevin Smith.

Burton e Nicholas Cage queriam, inclusive, dar mais profundidade ao personagem, mas o estúdio sequer gostava do uniforme com o tradicional S.

“Eles queriam que ele vestisse shorts como Michael Jordan”, disse Tim Burton. “Eles disseram, ‘ele poderia vestir veludo cotelê’, como o Superman! Eu não entendo!”.

“Então eles disseram, ‘talvez dê botas para ele, sabe, com chamas do lado delas”, continuou o diretor.

Obviamente Tim Burton não aguentou isso e acabou abandonando o projeto, que foi cancelado, apesar do estúdio já ter gastado mais de 10 milhões de dólares no seu desenvolvimento.

O Superman acabou retornando às telonas anos mais tarde, com Superman: O Retorno, em 2006.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio