É o círculo da vida: desenhos animados de crianças se tornam dramas adolescentes. Mas reboots em live-action raramente correspondem aos padrões dos fãs e, como mostra a controvérsia de elenco de Fate: A Saga Winx, a mais nova série da Netflix não está isenta.

Baseada em O Clube das Winx, um antigo desenho animado, Fate: A Saga Winx segue as aventuras de cinco fadas em treinamento enquanto frequentavam um internato mágico.

Há Bloom (Abigail Cowen), uma fada que cresceu no mundo humano, Stella (Hannah van der Westhuysen), que tem a habilidade de manipular a luz, Aisha (Precious Mustapha), uma fada da água, Terra (Eliot Salt), que tem poder sobre as plantas e Musa (Elisha Applebaum), uma empata.


Na maior parte, isso é bastante verdadeiro para o desenho animado, com exceção de duas personagens: Terra e Musa.

Depois que o primeiro trailer de Fate: A Saga Winx foi lançado em dezembro de 2020, os fãs de O Clube das Winx original rapidamente foram às redes sociais para acusar a série da Netflix de fazer “whitewashing” com duas personagens principais, Terra e Musa.

No desenho original, Musa é retratada como do Leste Asiático, mas Applebaum parece ser branca. Applebaum não falou publicamente sobre sua identidade étnica, embora o Screen Rant tenha relatado que ela era um quarto cingapuriana.

Enquanto isso, Terra, interpretada pela atriz branca Salt, na verdade não está em O Clube das Winx original, mas sua inclusão aparentemente se traduziu na aparente exclusão de Flora, a Fada da Natureza, que era originalmente latina.

Em um recente material da Netflix, o produtor Brian Young confirmou que Terra é prima de Flora, o que significa que Flora ainda é tecnicamente parte do universo de Fate: A Saga Winx, embora ela não esteja presente na primeira temporada.

Grande polêmica

A Netflix não abordou diretamente as acusações de “whitewashing”. No entanto, Cowen respondeu à reação, observando em uma entrevista ao The Wrap que, embora ela não possa falar pelos envolvidos nas decisões de elenco, “é importante que estejamos tendo essas conversas.”

A atriz também elogiou a atuação de Applebaum no programa e indicou que os fãs ainda poderiam ver uma Flora latina na segunda temporada.

“Não faço parte do processo de seleção de elenco, mas acho que, se a série for para uma segunda temporada, espero que essas preocupações sejam abordadas”, acrescentou ela.

“Eu acho que a diversidade tanto na frente quanto atrás das câmeras é vital e muito necessária em toda a indústria e internacionalmente.”

Silêncio dos produtores

Realmente não é trabalho de Cowen defender o elenco da série. Mas o que o produtor Young chegou mais perto de falar sobre as liberdades de elenco de Fate: A Saga Winx foi quando ele adotou a decisão de expandir além das figuras de modelo dos desenhos animados.

“Eu sou um grande fã do próprio desenho animado, mas, é claro, esses são desenhos animados”, disse ele ao Guardian.

“Ninguém é assim. Era a coisa mais importante para mim que todas as crianças pudessem sentir que se viam nisso.”

Dando ao seriado o benefício da dúvida, é possível que Fate: A Saga Winx tenha planos de aumentar a diversidade na segunda temporada. Mas os produtores terão que falar sobre isso mais cedo ou mais tarde. É o que os fãs de Fate: A Saga Winx exigem.

No Brasil, Fate: A Saga Winx está agora disponível na Netflix.