A Netflix vai oficialmente lançar o recurso que permite a assinantes assistirem programas aleatórios. Com isso, a decisão do que assistir fica a cargo do algoritmo da plataforma de streaming.

Conforme Todd Spangler, da Variety, o recurso tem sido testado amplamente desde 2020 e chegará a todos os assinantes na primeira metade de 2021.

A nova funcionalidade vem justamente como uma forma de ajudar quem está indeciso acerca do que assistir, informou o chefe de produtos da Netflix, Greg Peters.


Os títulos a serem exibidos para os assinantes são escolhidos com base no que cada pessoa assistiu previamente, portanto não será algo totalmente aleatório. Conteúdos salvos nas listas pessoais de cada um também serão contemplados.

Isso certamente deve ajudar os indecisos que passam horas simplesmente olhando para o catálogo da Netflix.

Netflix bate grande marca

A Netflix anunciou oficialmente que no quarto trimestre de 2020, a plataforma ganhou mais 8,5 milhões de assinantes. Com isso, o serviço de streaming ultrapassou a marca de 200 milhões de assinantes ao redor do mundo.

Isso representa um crescimento de 21% em 2020. A Netflix especula que ao término do primeiro trimestre de 2021, ela terá passado de 209 milhões de assinantes.

Isso mantém a Netflix como o serviço de streaming mais popular do mundo e os únicos que chegam perto são a Amazon Prime Video, com 150 milhões de assinantes e a Tencent Video, da China, com mais de 120 milhões.

O Disney+, por sua vez, ultrapassa 86,8 milhões de assinantes mundialmente. Por ter apenas um ano de vida, aproximadamente, é um número impressionante.

A plataforma da Walt Disney Company, contudo, tem uma grande limitação em relação à Netflix. Não há nada em seu catálogo exclusivamente para o público adulto. Tudo fica na faixa do PG-13 (recomendado para maiores de 13 anos).

O próprio CEO da Netflix, Reed Hastings, que elogiou o lançamento do Disney+ e considera a plataforma como uma boa competidora da Netflix, está ciente dessa limitação da concorrente.

Citando Bridgerton, série de época da Netflix, Hastings disse que o catálogo da Netflix é mais diverso por ter conteúdo para crianças e adultos. “Não acho que você verá isso na Disney tão cedo”.

Um análise de dezembro (via Patrick Cavanaugh, do ComicBook) aponta que se o Disney+ continuar expandindo no ritmo atual, ele pode passar os números de assinantes da Netflix em 2022.