Conheça a série de O Exterminador do Futuro que é ignorada por fãs

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A primeira tentativa de reescrever a linha do tempo da franquia O Exterminador do Futuro ocorreu na série de TV altamente subestimada, O Exterminador do Futuro: As Crônicas de Sarah Connor.

A série estrelou uma pré-Game of Thrones Lena Headey como Sarah Connor e Thomas Dekker como um adolescente John Connor, mais uma vez tentando salvar o mundo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A série ocorre após O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, com os eventos de O Exterminador do Futuro 3 – A Rebelião das Máquinas ocorrendo em uma linha do tempo alternativa. Este foi o primeiro de muitos episódios a ignorar o terceiro filme amplamente odiado.

Ambientada quatro anos após os eventos do segundo filme, os Connors e seu novo guardião exterminador, uma exterminadora chamada Cameron interpretada por Summer Glau, decidem pular para o ano de 2007 e partir para a ofensiva contra Skynet.

Apesar da forte reação dos fãs, O Exterminador do Futuro: As Crônicas de Sarah Connor foi cancelada após apenas duas temporadas. A série recebeu oficialmente o cancelamento em 19 de maio de 2009.

Série esquecida

O seriado foi cancelado pelo motivo usual – baixa audiência. Quando a série estreou em 13 de janeiro de 2008, as pessoas se aglomeraram em suas telas de TV graças a “O Exterminador do Futuro” no título.

Isso, e os playoffs da NFL servindo como uma ajuda, provavelmente teve algo a ver com os incríveis 18,3 milhões de telespectadores que recebeu em sua estreia como piloto. Infelizmente, essa popularidade não durou.

Após a estreia, o segundo episódio recebeu uma média de 10,07 milhões de espectadores – ainda um grande número, mas também um grande salto para baixo. Só piorou a partir daí.

As classificações estavam em declínio constante, chegando a 7,12 milhões no final da primeira temporada. A segunda temporada estreou em setembro de 2008 e não estava muito melhor.

Atraiu apenas 6,33 milhões de telespectadores e, graças à mudança para as noites de segunda-feira nos Estados Unidos, foi forçada a ficar ao ar ao lado de Chuck da NBC, diminuindo ainda mais o número.

Na época em que foi transferida para as sextas-feiras, o que costuma acontecer com séries com baixo desempenho na TV, a audiência havia chegado a 2,9 milhões.

As pessoas simplesmente não estavam interessadas e é surpreendente que a série ainda tivesse uma segunda temporada.

Como é o caso com todo filme ou série com seguidores cult, os fãs fizeram campanha para trazer de volta O Exterminador do Futuro: As Crônicas de Sarah Connor – e eles quase tiveram sucesso.

Depois que foi cancelada, houve discussões para mover a série para o Syfy ou fazer filmes diretos para DVD para concluir a história, mas nada aconteceu.

O criador da série, Josh Friedman, recusou-se a compartilhar quaisquer detalhes do que teria acontecido se eles tivessem recebido a terceira temporada, preferindo que os fãs inventassem seu próprio final com base no que viram.

“Acho que o final pode ser visto como um fim e também como um trampolim para uma nova parte da história – era isso que eu pretendia, pelo menos. Queria encerrar muitas das questões que levantei nos episódios anteriores, mas é dramaticamente doentio tentar criar uma galeria de cenas desonestas apenas para marcar cada caixa narrativa.”

A série terminou em um momento de angústia, com John se descobrindo sozinho no futuro ao lado de seu pai Kyle Reese, mas ninguém da Resistência reconhece seu nome, o que implica que, ao avançar no tempo, ele se apagou da guerra contra as máquinas.

No Brasil, O Exterminador do Futuro: As Crônicas de Sarah Connor chegou a ser exibida no Warner Channel e no SBT.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio