Fate: A Saga Winx repete erro de Harry Potter na Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em uma escolha saída diretamente de Harry Potter, a protagonista de Fate: A Saga Winx, Bloom, muitas vezes se mete em problemas por causa de sua teimosia e egocentrismo. Como Harry Potter, a fada do fogo é um espírito independente.

Lançada em um mundo desconhecido e sem saber em quem confiar, Bloom se retira e toma todas as grandes decisões sozinha.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas seu foco estreito em seus próprios problemas a torna incapaz de ver as coisas de uma perspectiva diferente. Seus julgamentos precipitados a deixam sem informações críticas e a levam a cometer erros.

Fate: A Saga Winx é uma versão mais sombria do amado desenho animado da Nickelodeon, O Clube das Winx.

Na adaptação da Netflix, Bloom é uma estranha, como Harry. Ao contrário de algumas outras alunas da escola de magia, Alfea, Bloom nasceu no mundo humano e desconhecia seus poderes mágicos até ser notificada pela diretora da escola Farrah Dowling (parece familiar?).

Ao longo da série de seis episódios, Bloom está em uma missão para descobrir sua verdadeira herança e a natureza de seus poderes.

Enquanto ela descobre segredos obscuros sobre a história de Alfea, Bloom torna-se obcecada em descobrir a verdade sobre seu passado. Embora as colegas de quarto e amigas de Bloom a procurem, ela as afasta e prefere andar sozinha.

É o mesmo erro contínuo e falha de personalidade de Harry em Harry Potter. O isolamento de Bloom em Fate: A Saga Winx a torna vulnerável à manipulação.

Ao excluir as pessoas que se preocupam com ela, Bloom se permite ficar perto de outras pessoas que não têm os melhores interesses no coração. Sua determinação de seguir sozinha significa que ela frequentemente ignora opiniões externas, recusando-se a ouvir a opinião de outras pessoas.

Seguindo seu próprio conselho, Bloom está cega para explicações alternativas e mais apta a acreditar nas mentiras de quem quer que seja. A resolução de Bloom de permanecer independente a leva a mudar as alianças de episódio para episódio, agarrando-se a qualquer um que prometa suas respostas.

Semelhanças na trama

Como em Harry Potter, a auto absorção de Bloom é crítica para o enredo. Sua preocupação em encontrar seus pais biológicos (depois de descobrir que ela é uma criança trocada) não só leva a conflitos interpessoais com suas colegas de quarto e seu interesse amoroso, Sky, mas também a grandes conflitos mágicos no Outro Mundo.

Sua tendência grifinória de se defender sozinha combinada com a tendência de um sonserino de guardar segredos a levam a agir impulsivamente, com consequências duradouras. No final da primeira temporada, “A Fanatic Heart”, a recusa de Bloom em ouvir Dowling a leva a libertar a maior inimiga do Outro Mundo, Rosalind.

Embora Bloom depois corrija o curso, aprendendo a confiar em Dowling e suas amigas, é tarde demais. Rosalind é capaz de neutralizar os mocinhos e assumir a escola (como em Harry Potter e a Ordem da Fênix).

A personalidade de Bloom a torna uma boa protagonista e ajuda a manter a ação em movimento, mas também a torna desagradável às vezes.

Mesmo que a série frequentemente introduza conflitos entre as garotas da suíte, todas elas terminam com um foco renovado nas lutas de Bloom, porque como personagem principal da série, ela na verdade é o centro do universo ficcional. Por outro lado, a personalidade da primeira temporada de Bloom é útil.

Ao longo de Harry Potter, Harry costuma reverter a sua mentalidade de ficar sozinho em tempos de dificuldade, levando a subtramas interpessoais interessantes, e o mesmo pode ser dito de Bloom em Fate: A Saga Winx.

Fate: A Saga Winx depende muito do drama social, então os espectadores podem esperar que o egoísmo de Bloom volte na segunda temporada. No entanto, os melhores personagens crescem e mudam ao longo da história, então espera-se que Bloom evolua na segunda temporada, abrindo mais possibilidades na narrativa.

Se Bloom se tornar mais estável emocionalmente, a série pode explorar questões introduzidas na primeira temporada de Fate: A Saga Winx sobre a ética da guerra e as relações entre pais e filhos. Seria uma verdadeira história de maioridade. Com sorte, o seriado não cairá na armadilha de repetir histórias, levando ao cansaço do público.

No Brasil, Fate: A Saga Winx está agora disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio