Lucifer teve uma curiosa história cortada. Ela foi revelada em uma entrevista do co-showrunner Joe Henderson para o site CBR.

Acontece que a série teria um arco com Lucifer envolvido na política. Henderson garante que não seria para alguma crítica da realidade – apenas seria uma forma de dar uma história diferente ao personagem.

“Uma das nossas histórias seria Lucifer concorrendo a um cargo em Los Angeles. Foi no começo de toda questão de Trump e a Warner disse, ‘Vocês sabem, a política está tensa agora e tudo que está acontecendo é uma loucura. Eu não acho que vamos conseguir levar isso ao ar'”, contou o comandante da série que está na Netflix atualmente.


Henderson disse que a trama era “absurda”. Porém, o estúdio teve a decisão acertada.

“No momento que iria ao ar, todas ideias que tivemos começaram a se ligar com a realidade. Nunca queríamos fazer isso, era mais ter Lucifer fazendo algo que nunca poderia ser comparado com a realidade. O absurdo virou normal”, comentou ainda o escritor e produtor.

Henderson afirma que essa história deletada “nunca mais sairá do cérebro dos roteiristas”.

Lucifer na Netflix

Na quinta temporada, Lucifer apresenta um novo desafio. Como mostrado em prévias da Netflix, Michael (ou Miguel), arcanjo irmão gêmeo do protagonista, chega para tentar assumir o lugar dele.

Isso para os fãs significa ter Tom Ellis em dobro. O protagonista também fica com o papel do vilão Michael.

A série usou o figurino dos personagens e o sotaque para diferenciá-los, o que acaba sendo divertido para os fãs. O elenco de Lucifer tem ainda Lauren German.

“Entediado com a vida nas trevas, o diabo se muda para Los Angeles, abre um piano-bar e empresta sua sabedoria a uma investigadora de assassinatos”, diz a sinopse da Netflix.

Lucifer tem cinco temporadas na Netflix. Os novos episódios, da segunda parte do quinto ano, ainda não têm previsão. O mesmo vale para o ano final do seriado.