Maratonar The Witcher e Stranger Things pode causar bizarra consequência

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao contrário de Yennefer de Vengerberg de The Witcher, que pode pular entre reinos sem esforço, ou Eleven de Stranger Things, que ocasionalmente faz viagens para o Mundo Invertido, a humanidade está praticamente presa na Terra, o que significa que gerenciar nossa “pegada de carbono” – e o impacto no aquecimento global – é de extrema importância.

Portanto, é bom que a Universidade de Bristol tenha desenvolvido o DIMPACT, uma nova ferramenta que ajuda as plataformas de streaming a calcular seu impacto no meio ambiente.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

De acordo com o WIRED, a ferramenta, que acabou de completar uma fase piloto de 12 meses, foi construída para ajudar as empresas de mídia digital a mapear e gerenciar suas pegadas de carbono.

DIMPACT reúne seus resultados usando quatro módulos criados, cada um dos quais representa um setor diferente: streaming de vídeo, publicidade, publicação e inteligência de negócios. O objetivo é incluir também módulos para jogos e streaming de música a seguir.

No caso da Netflix, é o módulo de streaming de vídeo que é crucial, pois examina todos os processos que tornam possível o streaming de cada um de seus muitos filmes e séries e permite à empresa medir sua própria pegada de carbono, bem como produzir informações detalhadas sobre os níveis da poluição causada pelos fornecedores e clientes de uma empresa, também conhecidos como emissões do Escopo 3.

Ter essa informação é o primeiro passo para uma empresa ser capaz de estabelecer uma meta cientificamente informada como parte de seu objetivo de redução geral.

Mas o que isso tem a ver com a maratona das aventuras em The Witcher e Stranger Things no mesmo dia em que são lançadas?

O impacto ambiental do streaming

Bem, em 2020, a Netflix afirmou que uma hora de streaming produzia menos de 100gCO2e (cem gramas de dióxido de carbono equivalente), o que é menos do que dirigir um carro médio por um quarto de milha.

No entanto, graças ao DIMPACT, a gigante global de streaming foi capaz de descobrir que uma hora de streaming é equivalente a um ventilador de teto de 75W funcionando por quatro horas na América do Norte, ou mesmo um ar condicionado de 1000W funcionando por 15 minutos.

O equivalente europeu é seis horas de uso do ventilador e 40 minutos de uso de ar condicionado.

“Minha primeira impressão sobre essa afirmação é que parece razoável”, disse Bernardi Pranggono, professor sênior de engenharia de rede de computadores na Universidade Sheffield Hallam ao WIRED.

No entanto, como ele explica, não é tão simples, porque o streaming é comparativo. Assistir a um episódio de The Witcher pode ser mais ecológico do que dirigir 30 minutos até o cinema mais próximo (se eles estiverem abertos novamente), mas não é mais ecológico do que jardinagem ou simplesmente dar uma caminhada.

Portanto, não comemore – ou aumente a lista da Netflix para comemorar – ainda.

A Carbon Trust, uma organização independente fundada no Reino Unido para ajudar empresas em todo o mundo a reduzir suas emissões de carbono, lançará um relatório no final de março confirmando suas descobertas em relação à Netflix, além de ajudá-los a definir suas metas de redução.

E este é mais um motivo pelo qual o desenvolvimento do DIMPACT está se mostrando tão significativo, já tendo sido adotado pela BBC, bem como por outras empresas sediadas no Reino Unido que transmitem conteúdo.

Houve suposições errôneas feitas nos últimos anos, algumas das quais produziram números extremamente exagerados. O DIMPACT pode ajudar a combater tudo isso, ao mesmo tempo que fornece um caminho viável para grandes plataformas de streaming seguirem enquanto tentam reduzir seu impacto ambiental.

No Brasil, as séries The Witcher e Stranger Things estão agora disponíveis na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio