Veja o que a Netflix não conta sobre O Paraíso e a Serpente

Os crimes reais do serial killer Charles Sobhraj

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Procurando se manter sempre na dianteira do concorrido mercado das plataformas de streaming, a Netflix procura lançar filmes e séries interessantes todas as semanas. Um dos lançamentos recentes mais elogiados da empresa foi a série O Paraíso e a Serpente.

Se você gosta de produções britânicas e aprecia séries sobre crimes reais, O Paraíso e a Serpente é uma ótima opção.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A série tem oito episódios, e se baseia na história real de Charles Sobhraj, um serial killer francês que matou vários jovens turistas ocidentais na chamada “trilha hippie” da Tailândia, Índia e Nepal nos anos 70.

O site Looper revelou alguns detalhes que a Netflix não mostra sobre a vida dos crimes de Sobhraj; veja abaixo!

Vida criminosa em O Paraíso e a Serpente

A vida de crimes de Charles Sobhraj começou ainda em sua adolescência, com pequenos delitos como furto e roubo. O futuro assassino foi preso pela primeira vez em 1963, aos 19 anos.

Desde o início, o jovem aprendeu a manipular os guardas e outras pessoas que conhecia na cadeia, incluindo um rico voluntário chamado Felix D’Escone, que chegou a hospedar Sobhraj em sua casa após o cumprimento de sua pena.

Na mesma época, Sobhraj conhece sua primeira esposa, introduzida na Netflix no sexto episódio. Usando nomes e documentos falsos, o casal fugiu da França para a Ásia em 1970, e sua filha nasceu em Mumbai.

Mas o casamento e a paternidade não impediram a continuação da vida de crimes do protagonista de O Paraíso e a Serpente, sendo preso no Afeganistão, Índia e Irã.

Após escapar de uma prisão em Nova Deli, Sobhraj deixou a família para trás e viajou para Istambul, onde começou uma nova “carreira” criminosa junto com o meio-irmão Andre. A dupla foi presa em Atenas, mas Sobhraj conseguiu escapar novamente.

De acordo com um recente artigo da CNN, o primeiro assassinato de Charles Sobhraj foi cometido no Paquistão. Ainda não se sabe quantas pessoas foram vítimas do serial killer em toda sua trajetória criminosa.

Após conhecer Marie-Andrée Leclerc na Tailândia, Charles Sobhraj passou de um golpista e ladrão para um assassino de sangue frio. A primeira vítima conhecida do serial killer foi a turista Teresa Knowlton.

Devido à roupa de banho usada pela vítima, Sobhraj passou a ser conhecido como o “assassino do bíquini”. A série da Netflix foca exatamente nesse período da vida do assassino, retratando seus crimes na Tailândia, Nepal e Índia.

O Paraíso e a Serpente mostra também a prisão de Sobhraj em 1976, na cidade de Nova Déli. O criminoso foi sentenciado a 12 anos de prisão.

O serial killer consegue então escapar da prisão de Tihar, sendo recuperado pouco tempo depois e ganhando mais 10 anos em sua sentença. Quando Sobhraj foi libertado em 1997, os crimes em Bangkok já haviam prescrito.

Com isso, o assassino retornou à França e procurou atenção da mídia por seus crimes, dando entrevistas para jornalistas e divulgando diversos detalhes de seus crimes.

Em 2003, como é mostrado em O Paraíso e a Serpente, Sobhraj decide viajar para o único lugar onde ainda existia um mandado para sua prisão: o Nepal.

Ninguém sabe exatamente o motivo da decisão do assassino, mas chegando ao país asiático, Sobhraj foi preso mais uma vez. O serial killer continua detido no país até hoje, tendo confessado pelo menos 12 assassinatos.

O Paraíso e a Serpente está disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio