Black Mirror viraliza por motivo decepcionante e irrita fãs da Netflix

Fãs esperavam anúncio de nova temporada, mas série estava sendo comentada por outra razão

Publicado em 30/5/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Recentemente, a popular série britânica de ficção científica Black Mirror, da Netflix, começou a ser tendência no Twitter. Alguns fãs estavam ansiosos para ver se o seriado voltaria ou não para mais uma temporada, mas depois de descobrir por que a série de sucesso virou tendência, eles logo ficaram muito desapontados.

O programa começou a virar tendência depois que um tuite viral detalhou um artigo da revista Aeon que afirma que a biotecnologia do futuro poderá em breve controlar quanto tempo um criminoso condenado pode cumprir na prisão. O artigo foi publicado em 2014 e foi compartilhado pela Insider.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A usuária postou capturas de tela do artigo da Insider, que incluía trechos do experimento proposto.

Os fãs ficaram chateados porque o seriado virou tendência por outro motivo além do anúncio de uma nova temporada, e eles decidiram expressar sua frustração na plataforma.

Série vira tendência, mas não por causa de nova temporada

Depois de terem processado sua decepção, muitos fãs concordaram com as comparações entre o experimento potencialmente aterrorizante e o seriado, devido às suas semelhanças com um episódio da segunda temporada de Black Mirror intitulado “White Christmas”.

O episódio gira em torno de Matt (Jon Hamm) em uma cabana remota no dia de Natal. Matt treina clones digitais de humanos chamados de “biscoitos” para seu trabalho.

O enredo investiga como a consciência de uma pessoa pode ser controlada pela tecnologia, o que é evidente no experimento do prisioneiro.

O fato de um criminoso condenado poder ter sua mente manipulada por um computador para passar por uma sentença de prisão mais longa era assustadoramente semelhante para esses fãs, que também têm dúvidas sobre a moralidade de tal proposta.

Na entrevista em questão, a filósofa responsável pelo experimento, Rebecca Roache, explicou que “tecnologias futuristas” estão sendo testadas para prolongar a vida dos prisioneiros para que a quantidade de punições possa ser aumentada.

Roache afirmou: “Se a aceleração fosse um fator de um milhão, um milênio de pensamento seria realizado em oito horas e meia.”

“Carregar a mente de um criminoso condenado e operá-la um milhão de vezes mais rápido do que o normal permitiria que o criminoso carregado cumprisse uma sentença de 1.000 anos em oito horas e meia”, ela continuou.

“Isso seria, obviamente, muito mais barato para o contribuinte do que estender a vida dos criminosos para permitir que cumpram 1.000 anos em tempo real.”

Embora o debate sobre a moralidade de uma ideia provavelmente ainda esteja em andamento na plataforma, uma coisa que os fãs conseguiram concordar é que gostariam de parar de ter esperanças para uma nova temporada de seu programa favorito.

Em 2020, o criador de Black Mirror, Charlie Brooker, revelou por que o seriado não retornará para uma sexta temporada tão cedo.

“No momento, não sei que estômago haveria para histórias sobre sociedades desmoronando, então não estou trabalhando em nenhum desses episódios de Black Mirror”, disse ele em uma entrevista à Radio Times.

“Estou ansioso para revisitar meu conjunto de habilidades cômicas, então tenho escrito roteiros com o objetivo de me fazer rir.”

Desde então, Brooker não deu mais atualizações sobre o status da sexta temporada. Os fãs terão apenas que esperar e ver o que o futuro reserva para a popular série de ficção científica.

Todas as cinco temporadas de Black Mirror estão disponíveis para streaming na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio