The Handmaid’s Tale: Você precisa ver ISSO antes de começar a 4ª temporada

Série é uma produção popular e aclamada pela crítica

Publicadohá pouco tempo
Por Victor
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Contém spoilers!

The Handmaid’s Tale manteve os espectadores adivinhando a próxima reviravolta na história por três temporadas e, embora o seriado seja notório por constantemente parecer que está entrando num encerramento, as apostas finalmente ficaram tão altas que haverá consequências em uma escala sem precedentes.

Já faz um tempo desde o final da terceira temporada, e a atmosfera da série é tão implacavelmente ameaçadora que pode ser difícil lembrar de todos os detalhes específicos da trama escondidos por baixo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com a chegada da quarta temporada de The Handmaid’s Tale, é hora de um rápido curso de atualização sobre seus eventos.

June Osborne (Elisabeth Moss) tem grandes planos para sua missão de derrubar a República totalitária de Gilead e resgatar sua filha de suas garras.

Claro, ela é apenas um dos muitos personagens que lidam com as consequências de suas ações anteriores. Aqui está o que você precisa lembrar antes de assistir à quarta temporada de The Handmaid’s Tale.

June está em perigo

A terceira temporada de The Handmaid’s Tale é uma montanha-russa para June, cuja decisão de permanecer em Gilead no final da segunda temporada a leva a uma rodada de punição no Centro Vermelho.

Após a libertação, ela é transferida para o peculiar Comandante Lawrence (Bradley Whitford) e se torna um peão político relutante nos esforços de Gilead para readquirir a filha de June, Nichole, que Gilead vê como filha de Fred e Serena Joy Waterford (Joseph Fiennes e Yvonne Strahovski).

No entanto, as aventuras estranhas e aterrorizantes de June escondem seu crescente envolvimento com o movimento de resistência, que chega ao auge no final da terceira temporada.

Alinhada com outras servas rebeldes e Marthas, June ajuda um grupo de crianças a escapar de Gilead em um avião. Embora tenha sucesso, June não termina a temporada como uma heroína totalmente limpa.

Os telespectadores a veem matar, embora em legítima defesa. Ela efetivamente permite que Eleanor Lawrence (Julie Dretzin) morra ao não parar sua tentativa de suicídio. No final, ela aponta uma arma para suas aliadas, quando Maggie (Joanne Boland) e a jovem Kiki (Kate Moyer) querem desistir do plano.

Falando em armas, June termina a terceira temporada recebendo um ferimento de arma de fogo potencialmente fatal, cortesia de um soldado.

Na última vez que a vemos, ela é levada por um grupo de servas enquanto recita Êxodo na narração do seriado. Isso não é um bom presságio para a personagem, e embora o teaser da quarta temporada revele que ela está viva, é justo dizer que ela não está bem.

Quase todos os personagens estão em apuros

Embora ninguém em Gilead seja conhecido por se divertir muito, o final da terceira temporada conseguiu cavar buracos cada vez mais profundos para quase todos os personagens principais. Os Waterfords estão ambos detidos no Canadá, por terem desentendido a lei e entre si.

Após a morte de sua amada esposa, provavelmente é seguro dizer que o Comandante Lawrence também não é um homem feliz. Ele já foi um verdadeiro louco antes, mas não se pode deixar de sentir que ele está prestes a ficar ainda mais sinistro – e os resultados provavelmente não serão bons para qualquer um que fique em seu caminho.

Nick (Max Minghella) pode ter ido para o lado negro após sua promoção a comandante, o que pode causar problemas devido à sua conexão pessoal com June. Enquanto isso, tia Lydia (Ann Dowd) é… tia Lydia, mas agora sabemos sua história de fundo, o que adiciona um elemento humano à sua crueldade profissional.

No geral, parece que praticamente todo mundo está envolvido em seus próprios problemas, deixando o campo de jogo mais fragmentado do que nunca. Isso pode ser um bom presságio para June e outros que querem perturbar o status quo, ou pode ser uma oportunidade para alguém tornar Gilead um lugar ainda pior.

A operação de resgate provavelmente causará problemas

Na quarta temporada, todos terão que enfrentar as consequências da operação bem-sucedida de resgate de crianças da terceira temporada – e isso não significa apenas June lidando com seu ferimento à bala.

Gilead tem um histórico de reagir fortemente a esse tipo de coisa e, considerando a ousadia da operação do avião e o número de crianças envolvidas, as consequências provavelmente serão muito mais graves do que as repercussões do resgate da bebê Nichole na segunda temporada.

O criador da série, Bruce Miller, disse ao Hollywood Reporter que as coisas realmente vão ficar muito, muito difíceis – possivelmente em uma escala global.

“Acho que Gilead, do ponto de vista deles, sob seu conjunto de códigos, estará pronta para ir à guerra por causa disso”, disse Miller, observando que Gilead é uma potência nuclear que tem facilmente o maior exército de todo o mundo.

“Eu acho que aqui, o resgate das crianças é um momento de triunfo, mas não sei a que tipo de coisa isso vai levar.”

No Brasil, os três primeiros episódios da quarta temporada de The Handmaid’s Tale foram lançados no Paramount+ neste dia 2 de maio. Os episódios seguintes serão disponibilizados a cada semana no serviço de streaming.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio