Mulher-Hulk: Ator de Hulk quer mudança radical em série da Marvel

Lou Ferrigno voltou a dizer que é contra o excesso de efeitos especiais

Publicado em 29/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Lou Ferrigno acredita que a série da Mulher-Hulk do Disney+ não deve usar muito CGI. O Hulk até agora foi interpretado por alguns atores diferentes. Ferrigno é conhecido por interpretar o herói da Marvel pela primeira vez em live-action, incluindo o programa de TV em 1977 e alguns filmes para a TV.

Avançando para 2003, Eric Bana assumiu o papel em Hulk de Ang Lee, que não teve um desempenho muito bom. Edward Norton interpretou o personagem em O Incrível Hulk, que foi um dos primeiros filmes da Fase 1 do MCU antes de Mark Ruffalo assumir o papel em Os Vingadores.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A série da Mulher-Hulk do Disney+ foi criada por Jessica Gao, que escreveu episódios de Rick and Morty.

Baseado na personagem-título, o enredo de Mulher-Hulk está sendo mantido sob sigilo. Tatiana Maslany (Orphan Black) interpreta Jennifer Walters/Mulher-Hulk, Ruffalo retorna ao seu papel como Bruce Banner, Tim Roth (Os Oito Odiados) reprisa o papel de Emil Blonsky/Abominável e Jameela Jamil (The Good Place) interpreta Titania.

O seriado terá 10 episódios e atua como parte da Fase 4 do MCU.

Lou Ferrigno é contra o excesso de CGI

Em uma entrevista ao TooFab (via Screen Rant), Ferrigno falou sobre todas as coisas do Hulk, incluindo as notícias da vindoura série. Ele disse que gostou da ideia de Mulher-Hulk conseguir uma série, mas explicou como o CGI muitas vezes ofusca a narrativa. Ele mencionou como as histórias ficam com o público. Veja abaixo as declarações de Ferrigno:

“Hoje há muita ênfase em CGI. As boas histórias precisam voltar, é o que as pessoas querem. Mais de três décadas depois, eu ainda encontro fãs da série do Hulk que contam sobre como impactou suas vidas.”

“Acho que a série é uma boa ideia, mas não há necessidade de tantos efeitos especiais, porque quanto mais autêntico e orgânico o personagem pode ser, mais crível.”

“Então, temos que ver o que acontece. O CGI pode funcionar para Star Wars e outros filmes, mas quando existe um exagero, fica muito confuso.”

A série da Mulher-Hulk, da Marvel, deve estrear no Disney+ em algum momento de 2022.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio