Após Sexy Beasts, Netflix lança mais uma série polêmica

Minha Vida Nada Ortodoxa foi detonada por internautas e por parte da comunidade judaica

Publicado em 27/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando a Netflix anunciou a produção de Sexy Beasts, muitos assinantes reclamaram. A maioria dos comentários criticou a plataforma por dar o sinal verde para uma produção tão bizarra, enquanto cancelava séries de sucesso. Agora, a empresa enfrenta uma nova polêmica com a série Minha Vida Nada Ortodoxa, uma produção documental que acompanha a rotina da mulher de negócios Julia Haart.

A fashionista é uma ex-integrante de uma comunidade judaica ultra-ortodoxa, que se tornou a CEO da empresa Elite World Group. Mãe de quatro filhos, a empresária revela detalhes sobre sua vida na produção da Netflix.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“A minha missão é revolucionar essa indústria de dentro para fora, enquanto ajudo os meus filhos a conciliar suas infâncias ortodoxas com o mundo moderno”, comenta a protagonista.

No entanto, a série foi algo de diversas críticas, principalmente sobre a maneira estereotipada que aborda a cultura dos judeus ortodoxos.

O site PopCulture analisou a história, confira abaixo tudo que você precisa saber.

A polêmica de Minha Vida Nada Ortodoxa

Em uma entrevista ao site The Jerusalem Post, Sarah Izkovitz, que também cresceu em uma comunidade judaica ultra-ortodoxa, falou sobre a caracterização da cultura na nova série da Netflix.

“Cada uma tem a sua experiência, mas eu também frequentei Bais Yaakov, e posso dizer que as afirmações de Haart, que diz que as mulheres não são livres para se tornarem o que quiserem, não são verdadeiras”, comentou a entrevistada.

Devorah Kigel, uma educadora ortodoxa que analisa o papel da mulher no judaísmo, também condenou a temática da série.

“Essa série, em particular, é bastante forçada. O que me frustra é o fato dela não ter sido sincera sobre suas experiências. Ela deliberadamente fabricou detalhes de sua vida, e em uma plataforma tão grande como a Netflix, isso é um grande problema”, comentou a especialista.

Em meio à controvérsia, a jornalista Alexandra Flesshe começou uma hashtag que incentiva mulheres de cultura judaico-ortodoxa a compartilhar os verdadeiros detalhes de suas vidas.

“Minha Vida Não Ortodoxa é uma piada. Essa mulher se casou com um bilionário e se tornou CEO de várias empresas. 99% das pessoas que deixam as comunidades ortodoxas, sofrem muito. Essa série não é de verdade”, comentou uma internauta no Twitter.

Segundo outras opiniões encontradas no Twitter, Minha Vida Nada Ortodoxa apresenta também outros problemas.

Minha Vida Nada Ortodoxa, na verdade, é sobre nepotismo. Os paralelos com Succession são óbvios, já que todos os filhos de Julia lutam por sua atenção”, comentou outro espectador.

Succession é uma bem sucedida série exibida pela HBO, que acompanha a história de irmãos que lutam para assumir o controle da empresa midiática do pai.

Até o momento, Minha Vida Nada Ortodoxa conta com apenas 56% de aprovação da audiência do Google. No IMDB, a produção ficou com nota 4.9 (em 10).

Minha Vida Nada Ortodoxa está disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio