Publicidade

Polêmica no Japão

Produtora de anime da Netflix confessa sonegação de impostos

Dono do estúdio de Demon Slayer deixou de declarar mais de R$ 5 milhões

Publicado por Alexandre Guglielmelli

19/09/2021 18:00

Na Netflix, um dos animes mais populares é Demon Slayer (Kimetsu no Yaiba). A série japonesa conquistou fãs no mundo inteiro com sua bem sucedida primeira temporada e filme. Recentemente, o presidente do estúdio Ufotable, responsável pela animação da trama, admitiu sonegar impostos e emitiu uma nota oficial de desculpas para o público.

Ambientada no Japão da Era Taisho, Demon Slayer acompanha a saga épica de Tanjiro Kamado, um jovem de bom coração que embarca em uma jornada repleta de aventura após sua família inteira ser massacrada por demônios.

Para piorar a situação, Tanjiro descobre que sua irmã, Nezuko, também foi transformada em um demônio sanguinário.

Em julho deste ano, a Promotoria Pública de Tóquio processou formalmente a Ufotable e seu presidente Hikaru Kondo. Na época, ambos negaram as acusações. Mas desde então, a história parece ter mudado completamente.

O site Screen Rant explicou tudo sobre você precisa saber sobre essa polêmica criminal; confira abaixo.

Os crimes da produtora de Demon Slayer

Segundo a NHK, uma das maiores emissoras de TV do Japão, Hikaru Kondo admitiu ter sonegado impostos em um comunicado oficial à imprensa.

O executivo explicou que escondeu parte dos lucros da companhia para proteger o estúdio de qualquer flutuação de rendimentos ou diminuição de pagamentos no futuro.

“Espero que meus crimes não tragam problemas para a Ufotable”, afirmou Kondo na nota oficial.

Kondo levou a culpa pela sonegação de mais de 138 milhões de ienes – mais de 5 milhões de reais. A Ufotable, por sua vez, deve cerca de 4 milhões de dólares em tributos não pagos.

O executivo da Ufotable supostamente escondeu o dinheiro em um cofre em sua residência. A Ufotable afirma que já corrigiu a declaração de impostos, além de pagar o valor devido em parcela única.

Até o momento, não se sabe se a Ufotable ou Hikaru Kondo vão sofrer outras repercussões pelos crimes cometidos.

As acusações feitas pela promotoria também afirmam que Kondo e a companhia se apropriaram de fundos arrecadados durante um evento de caridade, realizado para juntar doações para as vítimas do terremoto e tsunami Tohoku, que atingiram o Japão em 2011.

O crime de apropriação indébita de dinheiro de caridade tem sentença de até 10 anos de prisão no Japão. Porém, ainda não sabemos se as autoridades do país vão investir nessa acusação.

Antes das alegações, Ufotable era considerado um dos melhores estúdios de animação do Japão. A companhia foi fundada em 2000, e começou a se popularizar com parcerias com a Bandai Namco.

O estúdio ganhou ainda mais reconhecimento com sua adaptação de Fate/Zero, e firmou-se no mercado internacional com o lançamento do anime de Demon Slayer e de Mugen Train, o filme da saga, que quebrou recordes no mundo inteiro.

Atualmente, Ufotable trabalha na segunda temporada de Demon Slayer, que deve adaptar o arco do Distrito do Entretenimento – um dos favoritos dos fãs do mangá de Koyoharu Gotouge.

A data de estreia da nova temporada ainda não foi revelada. A primeira temporada de Demon Slayer está disponível na Netflix.

Publicidade