Publicidade

Trama quente

Modelo que conhece book rosa conta se Verdades Secretas 2 é fiel à realidade

Segundo acompanhante profissional, novela do Globoplay exagera em diversos pontos

Publicado por Alexandre Guglielmelli

10/11/2021 08:30

Verdades Secretas 2, assim como a primeira temporada da novela, foca principalmente no “book rosa” – o esquema de prostituição que envolve modelos e figurões da indústria do entretenimento. Muitos fãs da série se perguntam se essa prática é real, e para solucionar essas dúvidas, a modelo Rangel Carlos falou tudo sobre sua experiência em seu canal no YouTube.

A trama de Verdades Secretas traz diversos modelos, entre homens e mulheres, que também fazem programas para garantir pagamentos maiores. A indústria do sexo, de acordo com a novela, é intimamente ligada à indústria da moda.

Mas segundo Rangel Carlos, o esquema é bem mais complexo na vida real. A modelo não concorda com a abordagem do autor Walcyr Carrasco sobre o trabalho das “acompanhantes de luxo”.

Veja abaixo tudo que você precisa saber sobre as verdades e mentiras de Verdades Secretas e sobre como é o book rosa na vida real.

Verdades Secretas na visão de uma profissional

Rangel Carlos, além de trabalhar como acompanhante profissional, tem uma canal no YouTube no qual compartilha relatos sobre sua profissão e responde perguntas dos fãs.

Em 2017, a modelo foi eleita Miss Bumbum de Florianópolis. Já em 2019, ficou ainda mais famosa ao vencer o reality show Casa das Pimentinhas, produzido pela revista Sexy.

O sucesso da modelo foi tão grande que, em 2020, em plena pandemia de Covid-19, Rangel foi citada como uma das acompanhantes de luxo mais bem pagas do Brasil.

Rangel já declarou abertamente ter se aproveitado do book rosa para ganhar mais dinheiro nos trabalhos de modelo – mas afirma também que Verdades Secretas não aborda a prática de maneira verídica, principalmente em sua segunda temporada.

“A primeira parte da novela foi quase fiel ao que realmente acontece nos bastidores dos estúdios fotográficos e das passarelas, mas ainda assim houve um pouco de exagero. Agora, nessa segunda parte, a abordagem foi feia. Muito exagero. Trataram tudo de forma muito banal e promíscua, e não, não é assim que a banda toca”, conta a modelo.

Segundo Rangel Carlos, Walcyr Carrasco exagerou na caracterização da prática em sua segunda temporada, principalmente por associar a prática a desejos pessoais dos modelos.

“O Book Rosa é um negócio lucrativo para modelos e para agências, mas existe um profissionalismo absurdo longe dos holofotes. O Walcyr está tratando tudo de maneira muito caricata, e não é bem por aí. Não tem nada de caricato em ser uma acompanhante de luxo”, conta a acompanhante.

De acordo com a profissional, Verdades Secretas 2 deveria ter estudado mais profundamente a prática do book rosa antes de produzir seus novos episódios.

“Acho que faltou um estudo mais amplo sobre o tema. É de muito bom tom mergulhar no mais profundo de uma história antes de levá-la ao grande público. Um laboratório seria indispensável para retratar uma realidade sem que ela chegue ao exagero”, opina a jovem.

Rangel salienta também que o book rosa não é um simples capricho de modelos que desejam ganhar mais dinheiro, mas uma profissão como qualquer outra – embora condenada por parte da sociedade.

“Faltou uma imersão na vida de modelos reais que fazem Book Rosa como algo profissional -sim, é uma profissão, apesar dela não ser reconhecida e respeitada. Famílias inteiras são sustentadas com o dinheiro que vem do trabalho paralelo”, conta a modelo.

Verdades Secretas 2 lança novos episódios a cada 10 dias no Globoplay.

Publicidade