Mais do que você gosta.

Publicidade

Contém spoilers

Emily em Paris ri de próprio defeito na 2ª temporada

Sucesso de Lily Collins se destaca por aprender com os erros e não se levar tão a sério

Publicado por Alexandre Guglielmelli

28/12/2021 19:30

A 2ª temporada de Emily em Paris está fazendo muito sucesso na Netflix, principalmente por não se levar muito a sério e brincar com seus próprios erros. De acordo com uma análise do site Screen Rant, a produção zoa os aspectos mais criticados da primeira temporada em seus novos episódios, particularmente, o figurino bizarro.

Com a estreia de Emily em Paris na Netflix em outubro de 2020, o público encontrou diversos motivos para criticar a série – desde a falta de consequências às ações da protagonista até a dificuldade de Emily em lidar com a cultura francesa.

Continua depois da publicidade

A 2ª temporada de Emily em Paris acontece exatamente após os eventos do primeiro ano, com a protagonista ainda confusa por seu affair com Gabriel e sua lealdade a Camille.

Eventualmente, Emily conhece Alfie, um bonitão britânico em sua aula de francês, e não demora a começar um relacionamento com o galã interpretado por Lucien Laviscount.

Como Emily em Paris ri de si mesma na Netflix

Durante uma das tarefas da aula de francês, Emily e Alfie são instruídos a se entrevistarem e criarem uma apresentação sobre os colegas para a classe.

Enquanto Emily aceita a tarefa de maneira séria, apresentando um relatório bastante direto sobre a vida de Alfie, o personagem usa sua apresentação para zoar a colega.

Falando em francês, Alfie diz aos colegas que “Emily usa roupas bobas”, o que causa grandes risadas em toda a classe.

Embora a fala pareça uma referência aleatória, Emily fica realmente ofendida – o que confirma a seriedade da personagem enquanto deixa os espectadores rirem de sua condição.

A 2ª temporada de Emily em Paris conserta alguns erros da série e modifica certas tramas, mas o estilo da protagonista continua o mesmo.

Na trama da série, o estilo colorido e “cafona” de Emily serve para enfatizar sua “americanidade”, principalmente no contraste com a moda francesa, marcada por tons sóbrios, cores frias e visuais menos chamativos.

Com a continuação da série, os produtores parecem ter aceitado de coração aberto às críticas sobre a primeira temporada, utilizando essas referências para melhorar a produção.

Da contínua falta de consequências para a protagonista, além do fato de Emily ficar obcecada com seu celular na 2ª temporada, prova que a série não se leva tão a sério, e é repleta de bom humor e irreverência.

Essa irreverência é um bom sinal para a 3ª temporada da série, já que os novos episódios já provaram que Emily em Paris (diferentemente de sua protagonista), tem a capacidade de aprender com o tempo e reavaliar seus próprios conceitos.

A 2ª temporada de Emily em Paris já está disponível na Netflix.

Publicidade