Mais do que você gosta.

Publicidade

Controvérsia

Após Sexy Beasts, Netflix lança mais uma série polêmica

Minha Vida Nada Ortodoxa foi detonada por internautas e por parte da comunidade judaica

Publicado por Alexandre Guglielmelli

27/07/2021 10:00

Quando a Netflix anunciou a produção de Sexy Beasts, muitos assinantes reclamaram. A maioria dos comentários criticou a plataforma por dar o sinal verde para uma produção tão bizarra, enquanto cancelava séries de sucesso. Agora, a empresa enfrenta uma nova polêmica com a série Minha Vida Nada Ortodoxa, uma produção documental que acompanha a rotina da mulher de negócios Julia Haart.

A fashionista é uma ex-integrante de uma comunidade judaica ultra-ortodoxa, que se tornou a CEO da empresa Elite World Group. Mãe de quatro filhos, a empresária revela detalhes sobre sua vida na produção da Netflix.

Continua depois da publicidade

“A minha missão é revolucionar essa indústria de dentro para fora, enquanto ajudo os meus filhos a conciliar suas infâncias ortodoxas com o mundo moderno”, comenta a protagonista.

No entanto, a série foi algo de diversas críticas, principalmente sobre a maneira estereotipada que aborda a cultura dos judeus ortodoxos.

O site PopCulture analisou a história, confira abaixo tudo que você precisa saber.

A polêmica de Minha Vida Nada Ortodoxa

Em uma entrevista ao site The Jerusalem Post, Sarah Izkovitz, que também cresceu em uma comunidade judaica ultra-ortodoxa, falou sobre a caracterização da cultura na nova série da Netflix.

“Cada uma tem a sua experiência, mas eu também frequentei Bais Yaakov, e posso dizer que as afirmações de Haart, que diz que as mulheres não são livres para se tornarem o que quiserem, não são verdadeiras”, comentou a entrevistada.

Devorah Kigel, uma educadora ortodoxa que analisa o papel da mulher no judaísmo, também condenou a temática da série.

“Essa série, em particular, é bastante forçada. O que me frustra é o fato dela não ter sido sincera sobre suas experiências. Ela deliberadamente fabricou detalhes de sua vida, e em uma plataforma tão grande como a Netflix, isso é um grande problema”, comentou a especialista.

Em meio à controvérsia, a jornalista Alexandra Flesshe começou uma hashtag que incentiva mulheres de cultura judaico-ortodoxa a compartilhar os verdadeiros detalhes de suas vidas.

“Minha Vida Não Ortodoxa é uma piada. Essa mulher se casou com um bilionário e se tornou CEO de várias empresas. 99% das pessoas que deixam as comunidades ortodoxas, sofrem muito. Essa série não é de verdade”, comentou uma internauta no Twitter.

Segundo outras opiniões encontradas no Twitter, Minha Vida Nada Ortodoxa apresenta também outros problemas.

Minha Vida Nada Ortodoxa, na verdade, é sobre nepotismo. Os paralelos com Succession são óbvios, já que todos os filhos de Julia lutam por sua atenção”, comentou outro espectador.

Succession é uma bem sucedida série exibida pela HBO, que acompanha a história de irmãos que lutam para assumir o controle da empresa midiática do pai.

Até o momento, Minha Vida Nada Ortodoxa conta com apenas 56% de aprovação da audiência do Google. No IMDB, a produção ficou com nota 4.9 (em 10).

Minha Vida Nada Ortodoxa está disponível na Netflix.

Publicidade