Mais do que você gosta.

Publicidade

Novidade da Netflix causa polêmica; veja o motivo

Publicado por Guilherme Coral

06/08/2020 08:39

A evolução da Netflix precisa ser reconhecida. A empresa começou como uma locadora de DVDs e agora se tornou a gigante do streaming, responsável por uma nova era da cultura e entretenimento.

Em abril de 2020, a Netflix valia uma fortuna de 194 bilhões de dólares, de acordo com a Forbes, fazendo dela “mais valiosa” que a própria Disney.

Continua depois da publicidade

Parte desse sucesso está no experimentalismo da Netflix, que constantemente busca novos conteúdos dos gêneros mais diversos para atrair um público bastante amplo. Além disso, a Netflix introduziu novas funções que hoje em dia se tornaram basicamente padrões na indústria.

Bom exemplo disso é a função de pular a abertura de séries – essencial quando vamos assistir episódios atrás de episódios da mesma obra de uma vez só, o famoso “binge watch”.

Uma recente mudança, contudo, não agradou muito os produtores de conteúdo. Ela consiste na possibilidade de acelerar ou reduzir a velocidade de filmes e séries na plataforma, uma função que a Netflix vem experimentando desde 2019.

“Como qualquer teste, isso pode não se tornar uma função permanente”, disse um representante da Netflix à Android Police.

Os cineastas reagem

Na época do anúncio, Judd Apatow, criador da série Love, não gostou da função. O diretor usou seu Twitter para descrever a ferramenta como “ridícula e ofensiva”.

Brad Bird, o diretor de Os Incríveis, também se manifestou contra. “É um duro golpe na já achacada experiência de cinema”.

Pater Ramsey, co-diretor de Homem-Aranha no Aranhaverso criticou os fãs que escolhem esse tipo de reprodução. “Será que tudo deve ser projetado para os mais preguiçosos e com menos bom gosto?”

Aaron Paul, que protagonizou o filme El Camino, de Breaking Bad, detonou a iniciativa da Netflix em seu Twitter, chamando-a de “destruição completa da arte”.

Na época, a Netflix respondeu comentando que a configuração foi um pedido de muitos assinantes.

Curiosamente, essa função já existe desde a época do VHS e acabou passando para o DVD e o Blu-ray. Não há muito sentido brigar por algo que pode ser ativado conforme a vontade do espectador.

Em todo caso, a polêmica envolvendo a Netflix deve continuar.

Publicidade